A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

03/10/2013 20:36

Com faz e refaz em via, comerciantes abandonam pontos após prejuízos

Zana Zaidan
Máquinas da prefeitura chegam sem aviso prévio para comerciantes (Foto: Marcos Ermínio)Máquinas da prefeitura chegam sem aviso prévio para comerciantes (Foto: Marcos Ermínio)

Após inúmeras alterações no projeto inicial que levaram a prefeitura a adiar a inauguração da revitalização da avenida Júlio de Castilho, em Campo Grande, comerciantes vão abandonar a região em busca de reverter os prejuízos causados pela obra.

A reclamação é de que as máquinas da prefeitura chegam para fazer novas modificações, e os empresários ficam sem reação diante da possibilidade de ter o comércio novamente interditado até que a reforma acabe.

É o caso da loja Constru & Cia, na esquina da avenida com a rua Brasília, onde, segundo o gerente, Flávio de Almeida, é a quarta vez que a prefeitura faz o trabalho. “Dessa última vez, chegaram há umas duas semanas e tomaram a liberdade de mexer na calçada. Ninguém nos informou, e a loja passou uma semana, só com terra em volta. Depois, levaram mais uns dez dias para cimentar e ainda falta colocar o piso tátil”, quem é que entra com uma bagunça dessas?”, questiona o comerciante, que aponta queda de 30% no faturamento desde que as obras começaram.

Na peixaria do comerciante Plínio Moura, a situação ficou mais crítica e ele decidiu abandonar o ponto. Em dois meses será a feita a mudança. “Isso aqui acabou, não tem mais acesso para os motoristas. Isso porque ainda nem pintaram as faixas amarelas de proibição do estacionamento. Vou sair antes que isso aconteça e fique pior”, afirma.

Moura está no local há dez anos, mas as perdas se acentuaram com a colocação de um ponto de ônibus que estreitou a passagem de veículos. O espaço é locado e, além dos prejuízos com a rescisão do contrato, virão os gastos com para adequar a nova peixaria às regras da vigilância sanitária.

A situação é a mesma para Ednéia Pegoraro, que também já alugou outro espaço. Até o proprietário do lugar onde hoje funciona sua livraria foi vendido. “O dono sabe que vai ser difícil alguém querer alugar aqui”, acredita.

Rubens Pinheiro, que não tem como sair do espaço por causa do contrato de locação, garante que só vai aceitar novas modificações caso a prefeitura ateste que o espaço foi desapropriado.

Desta vez, a obra vai fazer nova redução na calçada de onde funciona um açougue, há cinco meses. “Investimos R$ 100 mil aqui, mas ainda estamos conquistando o investimento. Se vão diminuir o espaço, que é propriedade nossa, que eles apresentem o documento de desapropriação”.

Os proprietários já acionaram advogados e a intenção é impedir qualquer obra até que o documento seja apresentado.

Sem voz – A prefeitura convocou comerciantes da Júlio de Castilhos para diversas reuniões, intermediadas pela ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande) para ouvir sugestões sobre o projeto, mas, segundo eles, o que foi discutido não saiu do papel.

“Eles fizeram do jeito deles, essas reuniões não serviram para nada. O projeto é inviável, só na cabeça daqueles engenheiros é que vai dar certo”, comenta Ednéia. Plínio, que participou de uma reunião quando soube que o tema seria a colocação dos pontos de ônibus, tem a mesma opinião. “Só um lado decidiu, lá, eles não ouviram ninguém”. “Não se importaram se afetaria o comércio, se os carros vão conseguir passar ou estacionar”, reforça Flávio.

Há dez anos na Julio de Castilho, peixaria vai mudar de local para reverter prejuízos (Foto: Marcos Ermínio)Há dez anos na Julio de Castilho, peixaria vai mudar de local para reverter prejuízos (Foto: Marcos Ermínio)


Acho engraçado as opiniões aqui, a diferença do prefeito antigo para este, é que estava assessorado, sabia o que estava fazendo, o atual esta completamente perdido....
asfalto de açucar, desmando, o mal uso do dinheiro publico... e por ai vai.... continua!!!
 
Caio Prado em 04/10/2013 13:25:37
O que deve acabar é o estacionamento de rua pois não é possível revitalizar uma avenida como esta e ficar meia pista simplesmente para atender comerciantes que não tem noção do perigo. Acorda senhores comerciantes a Capital está crescendo consequentemente o número de veículos tambem. Ninguem é culpado porque os senhores não tem o seu comércio recuado.
 
JOSÉ FERREIRA ROSA em 04/10/2013 10:53:27
Que caos ficou a Av. Júlio de Castilho, não dá para acreditar que pessoas de formação na área de engenharia possa ter feito tamanha bagunça! Tiraram os retornos que dão acesso aos bairros; tiraram os sinaleiros importantes, principalmente os que dão vasão aos bairros Panamá e Recanto dos Pássaros, entre outros e deixaram um no meio da rua, em frente a padaria Rema que era com a rua Brasília, que só atrapalha o trânsito! Se antes, era estatística, como uma das avenidas mais perigosas da cidade, hoje nem se fala! Sem sinalização, os carros, ônibus, motos, bicicletas e pedestres disputam na sorte ao transitá-la. Os acidentes são constantes!
 
Áurea Arruda em 04/10/2013 10:35:24
Tem que acabar com essa história de parar no meio da rua para fazer conversão à esquerda, tem é que colocar placas e fazer o retorno virando três vezes a direita e atravessar a via, toda cidade que faz isso evita muitos acidentes, retornos sinalizados viabiliza tudo, nós somos uma capital, acorda povo.
 
Juracy Ribeiro em 04/10/2013 10:27:50
O povo só sabe reclamar, em São Paulo na maioria das cidades também não existe RETORNO, voce tem que dar a volta na quadra para entrar em alguma rua. A cidade está crescendo, acorda Campo Grande, e os comerciante só pensam em si mesmos como sempre, mobilidade urbana também. O povim!
 
Thiago Silva em 04/10/2013 09:39:37
O CREA deveria era cassar esses engenheiros da obra de esculhambação da Júlio de Castilho. Ficou uma zona total, quem está no Santo Amaro ou na Palmira, não tem como entrar de volta na Júlio de Castilho.
É só tirar aquele meio fio horrível que eles chamam de canteiro central que tudo se resolve.
Será que esses engenheiros nasceram sem cérebro.
 
Gilberto Ozuna em 04/10/2013 09:35:31
Os responsáveis ou irresponsáveis por essa obra estão realmente perdidos,retiraram o semáforo da rua Otávio Mangabeira com a Julio de Castilio a aproximadamente 3 meses, e até ontem não colocaram o novo, todos os dias aquilo ali é um caos para se ter acesso à avenida...
 
Luiz Carlos Cunha em 04/10/2013 09:04:03
Essa reforma da avenida Julio de Castilho foi uma das piores obras da cidade, ao invés de melhorar ficou pior!!! Fui obrigado a mudar de rota, pois trafegar por essa avenida é praticamente inviável.
 
joão gois em 04/10/2013 08:59:20
Que o projeto da julio nao foi bem alaborado eu concordo esse engenheiro quis fazer uma coisa futurista mas nao deu certo precisa de alguns ajustes e o problema basta querer fazer nao ficar falando que herança em todo lugar sempre fica alguma coisa ai quem assume tem que mostrar que tem capacidade e faz melhor agora falar que a prefeitura ficou sem caixa isso e absurdo se informa melhor sr igor a prefeitura de cg e o sonho de qualquer politico.
 
GILMAR BENEDITO em 04/10/2013 08:55:22
Outro trecho preocupante é na Dr.Pacífico Lopes Siqueira, fizeram o recapeamento em apenas metade da via o que deixou um degrau o que é extremamente perigoso para motociclistas, principalmente nestes períodos de chuva, fora que faz os motoristas andarem apenas em 2 faixas, pois a do meio devido ao "degrau" a torna estranha para o tráfego.
Seria uma boa o Campo Grande News dar um pulo na região para fazer uma reportagem a respeito.
Pq ser for pra esperar vai ser igual a obra da Rua Ouro Verde, que demorou quase 6 meses pra ficar pronta e ainda criou um calombo em todos os cruzamentos.
 
Luciano Yamauchi em 04/10/2013 08:39:06
Já virou lugar comum essa prefeitura largar a coisas pela metade ou inacabadas, e não é culpa da gestão anterior, pq simplesmente as obras já estavam em andamento e é obrigação da atual gestão concluí-las, um bom exemplo são as obras de drenagem do Cabaças/Segredo, a Rua Aguiar Pereira de Souza, que apesar de não ter muitas residências e comércios é via de escoamento da via Morena e moradores do Jockey,Ipiranga e Piratininga que tem como destino a Costa e Silva e Zahran, a prefeitura fez a canalização e refez o asfalto somente em frente ao condomínio da Brookfield sendo que a parte que fica no encontro com a Via Morena virou um lamaçal devido a chuva.
 
Luciano Yamauchi em 04/10/2013 08:31:36
Cada dia aquilo fica pior!!!!!! Não existe retorno, tiraram a rotatória na esquina com a capibaribe e ninguém sabe quem tem a preferência; quem vem da júlio não tem como entrar no jd. imá pq retiraram o recuo e agora é contramão... um verdadeiro "apartheid" entre o imá o o sto. amaro... fora que quase na esquina da brasília tem acidente todo dia com motoqueiro pq a maioria insiste em entrar pela contramão na tupinambás. Isso virou piada!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Daniela de OliveiraPereira em 04/10/2013 08:10:56
Todos questionam o mandato do Bernal, dizem que esta atrasando Obras, Falta Infraestrutura nos Postos de Saúde..
Mas ninguém ve que quem deixou Campo Grande, sem dinheiro publico em Caixa, foi o Ex Prefeito, que fez um mal projeto para revitalização da Avenida Julio de Castilho, aonde ja se viu, uma avenida principal daquela região ter mão ùnica.. só um alerta pra não julgarem, quem esta apenas começando, e esquecer que o PMDB, ficou 16 anos no Poder e não resolveu o problema da saúde sendo que Governador e ex Prefeito são medico.
 
Igor Castro em 04/10/2013 08:06:21
isso e a era dos trad do passado bem recente agora vao culpar o bernal e mais facil condenar o bernal do que reconhecer que so fizeram cagada com o dinheiro do povo
 
marcelo timoteo em 04/10/2013 07:25:00
Se eu fosse o dono dessa peixaria eu abria uma pastelaria no lugar. Pela proximidade do ponto de ônibus tem mais possibilidade de dar certo.
 
jose da silva em 04/10/2013 07:04:51
Realmente é questionável a competência dos engenheiros encarregados da obra.
No caso da peixaria na foto acima é visível que o ponto de ônibus ficou bem no meio de acesso a cadeirantes.
Se fala tanto em acessibilidade e fazem um acesso desses.
Quando foi proposta esta obra, realmente imaginei que seria uma melhora, mas para mim que estou sempre no comércio da redondeza se tornou praticamente impossível estacionar, sem contar que a impressão que dá é que as vias ficaram mais estreitas.
Resumindo, no meu ponto de vista, mais uma vez dinheiro público investido para maquiar uma via.
 
Francine Aliverti Nazario em 04/10/2013 05:58:22
Valeu, Nersinho! Ó o presentão inacabado que vc deixou!
Vai, pessoal, coloca mais pmdb aí: asfalto de açúcar, obra feita nas coxas, dinheiro público e privado indo pro ralo.
 
Franz D. Silva em 03/10/2013 23:53:16
Eu acho que agradar o povo numa situação dessas, teria que fazer a obra a noite e limpar antes de amanhecer. Mas o interessante é que não vi ainda a imprensa filmar o final da julio que a prefeitura teve que refazer uma ponte que não tem 2 anos que os santos construiram. Fica na frente do Sayonara, o serviço foi mau feito e as chuvas danificaram tudo.
 
luiz alves em 03/10/2013 20:53:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions