A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

04/12/2012 07:53

Com nova condenação, pena de estuprador chega a 54 anos

Desta vez, ele foi sentenciado por estupro e roubo ocorrido em março do ano passado, no Tarcila do Amaral

Nadyenka Castro
Robson Vander Lan confessa os estupros. (Foto: João Garrigó)Robson Vander Lan confessa os estupros. (Foto: João Garrigó)

Preso em abril do ano passado após estuprar uma estudante da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, Robson Vander Lan teve mais uma condenação e a pena total dele já soma 54 anos.

A última condenação é de 12 de novembro e é por estupro e roubo a uma mulher, no bairro Tarcila do Amaral, no dia 2 de março do ano passado. Ele roubou dela R$ 20, um celular e passou as mãos no corpo dela.

Conforme sentença do juiz Thiago Nagasawa Tanaka, da 1ª Vara Criminal, sobre o crime, Robson declarou em juízo: “que a vítima estava bem vestida e ele achou que ela devia ter uma boa quantia em dinheiro; QUE, o interrogado assume que pensou em estuprá-la, mas depois das 'súplicas' da vítima acabou desistindo e aceitando R$ 20,00 (vinte reais) em espécie e um aparelho de celular marca Nokia na cor preta, e assume também 'ter passado a mão' no corpo da vítima”.

Robson acabou condenado a sete anos de prisão mais 120 dias-multa por roubo e mais sete anos pelo crime de estupro. Apesar de não ter havido relação sexual, a legislação classifica como estupro qualquer ato de violência relacionado ao sexo.

Com esta condenação, o estuprador já soma 54 anos de prisão. Ele foi condenado em quatro processos e há um em andamento.

Com a prisão de Robson pelo estupro ocorrido no campus da UFMS, outras vítimas o reconheceram . Sobre os crimes praticados, o sentenciado declarou “ que não procurava mais emprego porque já estava meio viciado' em roubar e estuprar” e que “assume ter roubado aproximadamente seis mulheres, e assume ter 'apenas passado a mão' e roubado aproximadamente doze mulheres”.

 



Neyde de Oliveira é o caso do acadêmico de Medicina em Salvador condenado por pedofilia. Já pensou ele médico? apalpando crianças nos consultórios? é um absurdo a juíza de lá ter autorizado sua volta aos bancos escolares. Pergunto: quem tem coragem de levar seu filho (a) para esse sujeitinho consultar? vai sobrar para os pobres que não têm opção de escolha.
 
Gustavo Ribeiro em 04/12/2012 11:57:28
Esse refugo da sociedade, jamais deveri ter sido solto tempo atrás. È sabido por qualquer profissional(sensato) da área, que esse tipo de Personalidade, não tem tratamento muito menos cura, sempre irá praticar o mesmo delito.
O referido estuprador, já praticou muito mais estupro que os divulgados pela mídia, sempre na mesma região. Caso saia da cadeia, mesmo que seje daqui 10, 20 ou mais anos, sempre manterá o mesmo ritual. Exemplo disso,l foi preso anteriormente há mais de 10 anos, saiu e voltou a mesma prática no mesmo local.
 
Neyde de Oliveira em 04/12/2012 09:17:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions