A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 15 de Setembro de 2019

17/08/2019 12:03

Em dia de evento, poucos aparecem para dar as mãos pelo Amambaí

Evento teve apresentações culturais, mas artistas ficaram sem plateia na região da antiga rodoviária

Ângela Kempfer e Alana Portela
A rua Vasconcelos Fernandes, em frente a Associação Comercial, foi interditada, mas ficou vazia (Foto: Henrique Kawaminami)A rua Vasconcelos Fernandes, em frente a Associação Comercial, foi interditada, mas ficou vazia (Foto: Henrique Kawaminami)

Este sábado era para ser “de mãos dadas com o Amambaí”. Mas em outra tentativa de ocupar um dos espaços tradicionais da cidade, quase ninguém apareceu à região da antiga rodoviária.

O evento, planejado pela associação de moradores do bairro, em parceria com a CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas), reuniu apenas artistas convidados para apresentações culturais e os organizadores. De público, não apareceu quase ninguém.

Na abertura, com culto ecumênico, estavam comerciantes da região e trabalhadores dos Correios, de agência que fica ao lado da velha rodoviária. Porém, quando as performances artísticas começaram, só restou 1 morador na plateia, o empresário João Jamil Anache.

João Jamil Anache mora no bairro há 59 anos e reclama da situação de abandono da antiga rodoviária (Foto: Henrique Kawaminami)João Jamil Anache mora no bairro há 59 anos e reclama da situação de abandono da antiga rodoviária (Foto: Henrique Kawaminami)
A rua foi lavada para que o evento ocorresse  (Foto: Henrique Kawaminami)A rua foi lavada para que o evento ocorresse (Foto: Henrique Kawaminami)

Ele vive no bairro desde que nasceu, há 59 anos, e conta que soube da programação especial deste sábado pelo grupo de whatsapp, criado pelos vizinhos. “Mas quando estava vindo vi uns 20 moradores de rua deitados na calçada”, conta sobre o que acha ser motivo da falta de público.

Rosane Nely Lima, presidente da Associação de Moradores do Bairro Amambai, e também síndica do condomínio empresarial instalado na antiga rodoviária foi responsável pela organização do evento.

A ideia da entidade é mostrar que a região mais antiga da cidade tem muito mais do que o terminal esquecido. Também abrange pontos fundamentais para a história de Campo Grande, como a Morada dos Baís, a Igreja Perpétuo Socorro e a Escola Maria Constança. “São patrimônios da história. Já passou da hora do poder público olhar para o bairro com outros olhos.”

Não é de hoje que moradores cobram projetos para revitalização do lugar, mas só recebem reforço da Polícia Militar. “Temos um problema social e precisamos de ajuda para resolver. Não adianta chamar a PM toda hora, até porque eles não são criminosos”, diz Rosane sobre os usuários de drogas que dorme nas ruas vizinhas ao terminal rodoviário desativado.

Com o fracasso de hoje, a organização vai avaliar se insistirá na proposta, mas já programa para a 1° semana de dezembro a festa do aniversário do bairro.

A atriz, Nathalia Andrade e comenta que a imagem marginalizada do local atrapalhou o evento (Foto: Henrique Kawaminami)A atriz, Nathalia Andrade e comenta que a imagem marginalizada do local atrapalhou o evento (Foto: Henrique Kawaminami)
O ator, Fernando Cruz, fala que mais intervenções artísticas deveriam ocorrer para que a população voltasse a ocupar a região  (Foto: Henrique Kawaminami)O ator, Fernando Cruz, fala que mais intervenções artísticas deveriam ocorrer para que a população voltasse a ocupar a região (Foto: Henrique Kawaminami)

O bairro faz parte do centro, é um dos primeiros da cidade, mas desde que a rodoviária foi desativada, muitos usuários de drogas vivem nas imediações. 

Fernando Cruz tem experiência em ocupar espaços públicos de Campo Grande. Já é rotina do Grupo de Teatro Imaginário Maracangalha. "A gente já fez várias atividades aqui na rodoviária. Não sei o que deu, mas os moradores participavam mais. O bairro está começando esse resgate, está muito abandonado, principalmente, aqui. Isso é um indicador de que há necessidade de políticas públicas de cultura arte e lazer. É um processo de retomar lentamente".

Atriz do Coletivo Clandestinas, Nathalia Andrade garante que é a primeira que se apresenta sem público. “Mesmo sabendo do evento, a população prefere não vir por conta dessa cena (usuários de drogas). É uma utopia ocupar o local, mas prefiro crer que é possível, promovendo eventos com mais frequência", avalia.

O presidente da CDL, Adelaido Vila, diz ser otimista e lembra que projetos para mudar a realidade do bairro não faltam. “A ideia é chamar os moradores para reocupar a região e se fortalecer na discussão. É o bairro mais antigo que precisa de socorro. Podemos fazer um incentivo a moradia no bairro. São muitos prédios abandonados, áreas degradadas e se tivermos o incentivo da prefeitura vamos ver a reocupação”.

Os artistas que iam se apresentar ficaram esperando pelo público (Foto: Henrique Kawaminami)Os artistas que iam se apresentar ficaram esperando pelo público (Foto: Henrique Kawaminami)
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions