A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

01/05/2012 11:10

Em encontro, catadores cobram da Prefeitura regularização da profissão

Fabiano Arruda e Mariana Lopes
Catadores se mobilizam para encontro realizado no Centro Comunitário do bairro Cophavila. (Foto: João Garrigó) Catadores se mobilizam para encontro realizado no Centro Comunitário do bairro Cophavila. (Foto: João Garrigó)

Em encontro realizado na manhã desta terça-feira, no Centro Comunitário do bairro Cophavila, em Campo Grande, cerca de 200 catadores, das regiões do Ananhanduizinho, Bandeira, Segredo, Prosa e Lagoa, cobraram da Prefeitura a regulamentação da profissão. Eles pedem que a categoria tenha benefícios trabalhistas, como carteira assinada.

O encontro, apoiado pela ONG Espads e a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), também marcou o lançamento de cursos de Formação Profissional e Social do Projeto “Cataforte I”.

Além disto, segundo o vice-presidente da Associação dos Catadores de Mato Grosso do Sul, Sérgio Rodrigues de Souza, os trabalhadores não estão satisfeitos com o possível atraso da entrega de barracões no novo aterro sanitário.

Conforme Souza, a promessa da Prefeitura era que os barracões, que serão utilizados para o trabalho dos catadores na separação de materiais, fossem entregues até agosto, o que não deve ocorrer, informa.

O vice-presidente da associação também diz que a reunião desta manhã foi realizada para chamar atenção da administração municipal e que o prefeito Nelsinho Trad (PMDB) foi convidado.

Durante o passeio ciclístico no feriado do Dia do Trabalho, Trad afirmou que esteve no encontro e que a reunião ainda estava vazia quando esteve por lá, provavelmente, por volta das 8 horas.

Prefeito Nelsinho Trad diz que determinou realização de estudo para atender reivindicações de catadores. (Foto: João Garrigó)Prefeito Nelsinho Trad diz que determinou realização de estudo para atender reivindicações de catadores. (Foto: João Garrigó)

Conforme Nelsinho, integrantes da Funsat (Fundação Social do Trabalho) permaneceram na reunião para anotar as reivindicações dos catadores e repassá-las à Prefeitura.

Ele ainda destacou que a Prefeitura apoia o projeto Cataforte, apoiado pela UFMS, e prometeu estudo para “ver o que dá para atender” das reivindicações feitas pela categoria nesta manhã.

O prefeito ainda elogiou o projeto que estuda viabilizar carteira assinada para os catadores, bem como adaptá-los nos barracões no novo aterro sanitário.

Processo - A ativação do aterro exige a desativação do Lixão. A montanha de lixo, localizada na saída para Sidrolândia, será incluída num projeto de recuperação de área degrada.

A ativação do aterro, o fim do Lixão, a construção da usina de triagem do lixo e o residencial para os catadores resultam em custos de R$ 13 milhões.

O prazo nacional é que até 2014 todos os municípios tenham acabado com os lixões.

Prefeito participa de Passeio Ciclístico no Dia do Trabalho
O prefeito de Campo Grande, Nelsinho (Trad), participa nesta terça-feira, às 9 horas, do tradicional Passeio Ciclístico realizado no Dia do Trabalho....
Burocracia e alto custo impedem cidades de cumprir lei que exige fim dos lixões
Brasília - O excesso de burocracia é um dos principais entraves que impedem o cumprimento da determinação de acabar com os lixões até 2014, prevista ...


Todo o processo envolvendo o lixo, inclusive a coleta seletiva, deveria ser gerida por cooperativa de catadores. A prefeitura, se interesse tivesse, em parceria com as associações de moradores ou conselhos da comunidade criaria espaços apropriados por bairros ou regiões. Ações junto a s comunidades também seriam necessárias, para que toda Campo Grande tivesse a coleta seletiva.
 
Fernando Silva em 01/05/2012 11:29:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions