A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Agosto de 2017

28/04/2017 08:10

Escola fechada e saída antecipada prejudicam alunos em dia de greve

Aline dos Santos e William Leite
Escola Lino Villachá fechou hoje e deixou 1.350 alunos sem aula. (Foto: Marcos Ermínio)Escola Lino Villachá fechou hoje e deixou 1.350 alunos sem aula. (Foto: Marcos Ermínio)
Único aluno da turma que foi para escola,  Guilherme (à esquerda) voltou para a casa com a mãe. (Foto: Marcos Ermínio)Único aluno da turma que foi para escola, Guilherme (à esquerda) voltou para a casa com a mãe. (Foto: Marcos Ermínio)

A greve contra as reformas da Previdência e trabalhista afeta a rotina dos estudantes nesta sexta-feira (dia 28) em Campo Grande. Na escola estadual Lino Villachá, no bairro Nova Lima, os 1.350 alunos ficaram sem aulas nos três turnos.

“Tem 82 professores e todos aderiram à paralisação”, afirma o diretor Olívio Mangolim. Segundo ele, o dia letivo será reposto conforme determinação da SED (Secretaria Estadual de Educação).

No portão da escola municipal Nerone Maiolino, no Tarsila do Amaral, um quadro avisa quais turmas terão aulas e quais serão dispensadas às 9h.

No local, a reportagem apurou que 10% dos cem professores aderiram ao protesto. A comerciária Ana Paula Teixeira foi chamada pela escola para buscar o filho Guilherme, 6 anos. Como todos os colegas de turma faltaram, ele foi dispensado. Mãe e filho voltaram para a casa de bicicleta.

Já no Ceinf (Centro de Educação Infantil) do Tarsila do Amaral o funcionamento é normal. A rede municipal de ensino tem 97 mil alunos na Capital. Em Mato Grosso do Sul, são 258 mil estudantes nas escolas da rede estadual. O protesto parou o transporte coletivo e fecha agências bancárias nesta sexta-feira.

No bairro Tarsila do Amaral, creche funciona normalmente. (Foto: Marcos Ermínio)No bairro Tarsila do Amaral, creche funciona normalmente. (Foto: Marcos Ermínio)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions