ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SÁBADO  29    CAMPO GRANDE 23º

Capital

"Foi feita justiça", dizem agentes sobre condenação no assassinato de colega

Por Nadyenka Castro | 09/03/2012 15:40

Presidente da Federação Nacional dos Sindicatos de Agentes Penitenciários, Fernando Anunciação disse que a categoria está satisfeita com o resultado

João Bosco, de camiseta branca e cabeça baixa, foi condenado a 17 anos de prisão. (Foto: Pedro Peralta)
João Bosco, de camiseta branca e cabeça baixa, foi condenado a 17 anos de prisão. (Foto: Pedro Peralta)

Para os agentes penitenciários estaduais, a condenação nesta sexta-feira de João Bosco Sanábria de Carvalho pela morte de Ângelo Aparecido Lemes Galarza Perez mostra que “foi feita justiça”.

“A gente fica feliz com a condenação. Mesmo depois de tanto tempo foi feita justiça”, fala o presidente da Federação Nacional dos Sindicatos de Agentes Penitenciários, Fernando Anunciação. Ele lembra que Ângelo Aparecido “era um servidor público, funcionário exemplar e pai de família”.

Ângelo Aparecido era agente penitenciário quando foi morto com 12 tiros no dia 20 de outubro de 2004, em um lava-jato da avenida Mascarenhas de Moraes.

João Bosco Sanábria de Carvalho foi condenado a 17 anos de prisão por mandar matar o servidor público. Acusado de ser o autor dos disparos, Marcos Júnior Mendes de Souza está foragido.

O homem apontado como intermediador do crime foi encontrado morto alguns meses após o assassinato de Ângelo.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário