ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Gaeco também investiga escândalo sexual que envolve políticos

Filipe Prado | 04/05/2015 10:50
Além da DEPCA, denúncia conta reforço de Gaeco na investigação (Foto: Marcelo Calazans/Arquivo)
Além da DEPCA, denúncia conta reforço de Gaeco na investigação (Foto: Marcelo Calazans/Arquivo)

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) vai investigar a denúncia de que há 10 políticos e autoridades envolvidas na exploração sexual de adolescentes em Campo Grande. Na quinta-feira, policiais da unidade já reforçaram a equipe de investigação, que estava sob o comando do titular da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), Paulo Sérgio Lauretto, e ouviram Fabiano Viana Otero, que aceitou fazer delação premiada.

De acordo com o advogado Amilton Ferreira de Almeida, como o caso tramita sob segredo de Justiça, só o juiz Marcelo Ivo de Oliveira, da 7ª Vara Criminal, Lauretto e o Gaeco podem divulgar informações sobre o escândalo. 

De acordo com informações, o Fabiano foi ouvido pelo grupo na última quinta-feira (30) no Fórum, juiz da 7ª Vara Criminal, Marcelo Ivo de Oliveira, e pelo promotor de Justiça, Celso Botelho. O promotor, responsável pelo caso, afirmou que não irá comentar sobre a delação, que corre em segredo de justiça, de acordo com o assessoria de imprensa do MPE (Ministério Público Estadual).

O advogado de Fabiano também não quis relatar sobre o processo e ainda não sabe quais benefícios serão adquiridos. O acusado promete entregar 10 nomes de autoridades e políticos envolvidos no escândalo sexual, além de provas e imagens dos políticos com adolescentes.

Até o momento, o empresário e pastor evangélico Alceu Bueno renunciou ao mandato de vereador após ser indiciado por exploração sexual de adolescentes. Conforme a Polícia Civil, Otero, o ex-vereador Robson Martins e o empresário Luciano Pageu agenciavam meninas para políticos, gravavam os encontros para extorquir os envolvidos. Alceu e o ex-deputado Sérgio Assis foram indiciados por exploração sexual.

Oliveira homologou o acordo e decretou sigilo nas investigações que devem revelar os nomes de mais envolvidos no esquema. Só o promotor de Justiça, o delegado Paulo Sérgio Lauretto e o advogado de defesa, Amilton Ferreira de Almeida, poderão ter acesso aos autos do inquérito.

Nos siga no Google Notícias