A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

24/10/2013 08:21

Juiz manda Prefeitura provar que não assoreou bacia do Córrego Botas

Vinícius Squinelo

Decisão proferida pela 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande obriga a administração municipal a se explicar sobre o assoreamento e degradação ambiental na região do Córrego Botas, na saída para Cuiabá. A ação foi movida pelo MPE/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul).

Segundo os autos, a prefeitura realizou obras de contenção de chuvas na região do córrego, porém acabou gerando outro problema: o assoreamento do Botas. A ação foi movida pelo MPE em 2012, mas como a Prefeitura não apresentou nenhuma documentação, agora o juiz titular da Vara, David de Oliveira Gomes Filho, determinou que o Município apresente as informações.

Segundo o MPE, a prefeitura também não está realizando o serviço de manutenção e limpeza na bacia do Córrego Botas. O Ministério tentou liminar que determine a imediata realização dos serviços, que foi negada pelo magistrado.

Os autos - Alega o MPE que em junho de 2011 foi constatado que o Município executou a construção de uma grande bacia de assoreamento na região do Córrego Botas, com a função de acumular água das obras de drenagem urbana nas vias públicas e sedimentos sólidos suspensos vindos das áreas próximas, impedindo que estes sedimentos prossigam no corpo hídrico.

No entanto, a falta de manutenção e limpeza dessa bacia estaria comprometendo a capacidade de armazenamento de volume das águas pluviais, como também causando o assoreamento nas tubulações de saída.

Assim, o Ministério Público pediu que fosse concedida a medida liminar para que seja decretada a inversão do ônus da prova e que o Município faça a manutenção e limpeza do local.

O juiz titular da Vara, David de Oliveira Gomes Filho, analisou que as fotos juntadas aos autos demonstrando a situação do local datam de 2011 e que o acompanhamento da evolução desses dados vem desde 2008.

Além disso, frisou o juiz: “Ainda que os fatos sejam graves e o direito pleiteado possua verossimilhança, a antecipação da tutela depende de uma emergencialidade que ainda não restou bem configurada nesse processo, tanto é assim, que o processo somente foi ajuizado em novembro de 2012 e não consta dos autos informações sobre a situação de fato mais recente”.

Diante da impossibilidade do autor comprovar que está sendo feita a manutenção e limpeza da grande bacia de assoreamento do córrego Botas, o magistrado acatou o pedido de inversão do ônus da prova, uma vez que o Município é o detentor dessas informações.

Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions