ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Justiça dá alvará para venda do Hotel Campo Grande

Sentença de primeiro grau que havia negado o alvará foi reformada pela 1ª Câmara Cível

Por Lucia Morel | 17/09/2023 10:37
Relógio no saguão de entrada deverá ser reativado para manter algumas das marcas deixadas na memória. (Foto: Paulo Francis)
Relógio no saguão de entrada deverá ser reativado para manter algumas das marcas deixadas na memória. (Foto: Paulo Francis)

A Justiça autorizou alvará para a venda definitiva do Hotel Campo Grande e quitação das dívidas tributárias de cerca de R$ 27,5 milhões dos herdeiros do antigo dono do empreendimento, José Cândido de Paula. Sentença de primeiro grau que havia negado o alvará e autorizado apenas “início das tratativas para a alienação judicial do bem imóvel” foi reformada pela 1ª Câmara Cível.

Para os desembargadores, a alienação do imóvel é necessária para cobrir os débitos tributários do espólio e não há litígio entre os herdeiros. “O negócio jurídico que se pretende realizar não implicará em prejuízos para o inventário, vislumbro que a pretensão deduzida pela inventariante deve ser acolhida, mediante a expedição do respectivo alvará para esta finalidade”, sustenta a decisão de segundo grau.

Além disso, levou-se em conta para a determinação que todos os herdeiros são maiores e capazes; a verba auferida será destinada à quitação de débitos fiscais; e valor excedente deverá ser depositado em Juízo. “E tudo com a devida prestação de contas pela inventariante”, dentro de 60 dias.

O alvará vai autorizar o desfazimento do hotel para o comprador Wagner Marcelo Monteiro Borges, que é empresário e pecuarista, e um segundo alvará vai ser da Escritura Pública de Hipoteca, que recairá sobre a Fazenda Quatro Irmãos (que pertence aos herdeiros). Esta servirá como “garantia da higidez do negócio, dos riscos de evicção e eventual perda de propriedade dos Imóveis”, citam os desembargadores.

Caso - O processo de inventário corre desde 1996, ou seja, já há 27 anos, mas o hotel somente foi fechado em definitivo em 2001. Histórica e icônica, a antiga hospedaria já foi cartão-postal da Capital e quando chegou ao fim, deixou muitas dívidas. E são justamente estas que estão sendo quitadas para que haja o total desembaraço.

“Ao longo dos últimos 22 anos, os herdeiros de José Cândido têm providenciado o pagamento das dívidas deixadas e, como será demonstrado, restam apenas as dívidas fiscais junto à União e à Prefeitura de Campo Grande (MS) para que todas elas estejam quitadas”, cita o pedido do empresário comprador sobre o prédio.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias