ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  19    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Local onde fogo começou no Atacadão era “ponto cego” no sistema de segurança

Análise das imagens, ainda não concluída, ajudará a determinar a causa e se houve falha na primeira reação ao incêndio

Por Anahi Zurutuza e Bruna Marques | 22/09/2020 11:26
Funcionário tenta usar mangueira do sistema do atacadista para comber fogo (Foto: Direto das Ruas)
Funcionário tenta usar mangueira do sistema do atacadista para comber fogo (Foto: Direto das Ruas)

As imagens das câmeras de segurança do Atacadão da Avenida Duque de Caxias foram recuperadas pela Polícia Civil e já estão nas mãos da perícia, mas justamente prateleira onde aparentemente o fogo começou fica em um dos “pontos cegos” do sistema. A informação é do delegado Bruno Urban, da 7ª DP (Delegacia de Polícia).

O responsável pelas investigações disse já ter tido acesso a alguns dos vídeos ontem, mas por enquanto não foram encontradas imagens de onde e da hora que o fogo começou. Ele explica que mercados deste porte geralmente direcionam as câmeras para as áreas onde estão expostos produtos mais caros, como carnes e bebidas, por exemplo. A análise das imagens ainda não foi concluída.

Outro vídeo - Entre os inúmeros vídeos que circularam nas redes sociais no dia do incêndio, um especialmente gerou mais repercussão. É a imagem de funcionário do estabelecimento com uma mangueira tentando conter as chamas, que consomem produtos numa prateleira no setor de produtos de limpeza.

A labareda atinge mais de 3 metros de altura e invade a prateleira cheia de produtos, inclusive álcool, que inflamável. Na gravação, é possível ver que a água começa a esguichar quando o funcionário tenta apagar as chamas, mas logo a pressão parece enfraquecer. O fogo continua intenso (veja no fim do texto).

Responsável pelas investigações, o delegado Bruno Urban já ouviu testemunhas (Foto: Henrique Kawaminami)
Responsável pelas investigações, o delegado Bruno Urban já ouviu testemunhas (Foto: Henrique Kawaminami)

Depoimentos - Além de contar com imagens para encontrar a causa do incêndio, o delegado convocou funcionários para prestar depoimento. Dois empregados foram ouvidos. Ainda falta a conclusão dos laudos periciais.

O inquérito foi instaurado no dia 15 de setembro e de início, a Polícia Civil tem 30 dias para concluir as investigações. Se for necessário, o prazo será prorrogado.

O incêndio – O combate ao fogo que destruiu o supermercado e o trabalho de rescaldo foi encerrado pelo Corpo de Bombeiros às 20h do dia 18, 4 dias – exatamente 96 horas – depois que as equipes foram acionadas para a batalha contra as chamas.

O fogo, que começou no domingo (13), por volta das 17h, tomou conta da loja e também da área de descarga. Mais de 900 mil litros de água foram utilizados no combate ao incêndio.

A rede não divulgou o valor do prejuízo milionário – só para a construção da unidade de 6 mil metros quadrados, inaugurada em 2012, o investimento foi de R$ 34 milhões. O Atacadão também não informou ainda quantas toneladas de produtos perdidos, mas à época da abertura, a loja prometia oferecer 10 mil itens diferentes.


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário