A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

12/06/2012 10:52

Médicos de MS decidem não aderir a greve em protesto contra MP

Mariana Lopes

Mesmo com a maioria dos médicos federais em greve em todo o país nesta terça-feira (12), em Campo Grande esses profissionais resolveram soltar apenas uma nota de repúdio a Medida Provisória que diminui o salário da categoria.

A greve, recomendada pela Fenam (Federação Nacional dos Médicos), é uma forma de protesto contra a MP 568/2012, que interfere na remuneração e desfigura a jornada de trabalho dos profissionais.

Médicos com jornada de 20h/semanais no serviço público, por exemplo, ao ingressarem na carreira teriam que cumprir 40h/semanais pelo mesmo valor, ou seja, uma redução de 50% na remuneração.

De acordo com a Fenam, estima-se que, em todo Brasil, 42 mil médicos ativos e inativos do Ministério da Saúde serão atingidos, além de 7 mil do Ministério da Educação.

Os protestos serão organizados pelos sindicatos de cada região. Em Mato Grosso do Sul, o sindicato mandou à imprensa nota na qual as entidades representativas dos médicos do Estado, AMMS (Associação Médica de MS), CRM-MS (Conselho Regional de Medicina) e Sinmedms (Sindicato dos Médicos), manifestam publicamente repúdio à Medida Provisória.

“Conclamamos aos dignos representantes do Estado junto ao Parlamento Federal, que ao analisar a admissibilidade e o mérito desta MP, efetuem as correções necessárias e se coloquem ao lado das entidades médicas na luta junto ao Governo Federal para que aumente o orçamento da saúde, crie uma carreira de estado para o médico do SUS, garantindo uma remuneração adequada e condições de trabalho dignas para assegurar o melhor atendimento da população”, pontuam as entidades na nota.

Ao final, as entidades pedem à sociedade sul-mato-grossense que una forças contra a medida, alertando ainda que os cidadãos serão os mais prejudicados no atendimento prestado.

Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


É justo? no final do ano os politicos duplicaram seus salários e agora querem reduzir em 50% os salários dos médicos, que já salvam a vida de muitos deles. Ora vamos botar ordem, na CASA, medicos trabalham, muitas vezes sem codiçoes, sem respirador, aparelhos, leitos, CTIs enquanto isso politicos discutem suas causas proprias, beneficios, auxilio terno, e CPIs entre eles.
 
Antonio Filho em 12/06/2012 04:17:08
internautas, veja se é justo médico estuda 6 anos para exercer a profissão que salva, "muitas VIDAS", um profissional que esta a disposição para te ouvir e diagnosticar doenças que podem te levar o bem mais precioso a VIDA, recebe por 40 horas de trabalho mes ou seja 8h dia o valor de 8 mil, enquanto isso um deputado, vereador, revebe algo em torno de 15 a 35 mil mais vantagens. é justo?
 
Antonio Filho em 12/06/2012 04:11:28
Tem que ter outro meio deles protestarem e não deixar de atender os pacientes. O que os pacientes tem com isso?
 
Cida Barros em 12/06/2012 03:15:18
eos medicos deveriao pedir para desmarca as consultas poque eles nao vao pagar o passe de coletivos para os pacientes que vao na consulta e tem que voltar sem consultar
 
alvina dos santos castilho em 12/06/2012 02:02:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions