A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

01/07/2016 14:57

Ministério da Saúde diz a CPI que sumiço de vacinas é falha da prefeitura

João Humberto e Amanda Bogo
Vereadores integrantes da CPI das Vacinas ouviram depoimento de representante do Ministério da Saúde por meio de videoconferência (Foto: Fernando Antunes)Vereadores integrantes da CPI das Vacinas ouviram depoimento de representante do Ministério da Saúde por meio de videoconferência (Foto: Fernando Antunes)

Carla Domingues, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, prestou depoimento à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das Vacinas na tarde desta sexta-feira (1) durante videoconferência na Coordenadoria de Imunizações da SES (Secretaria de Estado de Saúde), no Parque dos Poderes. Se vacinas sumiram, disse ela, a falha aconteceu na rede municipal de saúde.

Ela disse que foram enviadas 54 milhões de doses de vacinas contra a gripe para todo o País e que, para Mato Grosso do Sul, o número de doses enviadas foi suficiente para atender os grupos prioritários, principalmente na Capital, que recebeu 201 mil doses.

Domingues relatou que o Ministério da Saúde não recebeu denúncias a respeito do sumiço de vacinas na Capital e que nunca registrou esse tipo de situação em outra região. Afirmou, assim como o Instituto Butantan, que não foram enviados frascos com menos doses e que a falha pela falta de vacina aconteceu por parte das equipes de saúde da rede pública de Campo Grande.

“Ninguém consegue medir as doses milimetricamente. Por esse motivo, o Ministério da Saúde sempre envia doses a mais. O número de vacinas enviadas foi suficiente para cada público alvo, tanto do município quanto do Estado”, ressaltou Carla.

Carla ainda frisou que as perdas de vacinas são compreensíveis e lembrou que no ano passado, durante a campanha de vacinação contra a gripe suína, 82% da população foi imunizada. Em relação às vacinações extramuros (shoppings, supermercados) realizadas em Campo Grande, Carla alegou que a questão é prerrogativa do município. “É a prefeitura que decide se fará vacinação extramuro ou não”.

A vacinação extramuro é recomendada pelo Ministério da Saúde desde que seja destinada a público alvo, observou Carla. “Não é porque você está em um shopping que vai vacinar um jovem de 19 anos que não está no grupo de risco”.

Controle – Carla informou que o controle da vacinação em Campo Grande foi feito de maneira quantitativa e não nominal. É mais fácil, segundo ela, para identificar possível ato de má fé. No ano que vem todos os municípios, de acordo com Carla, passarão a adotar o sistema nominal, que está em fase de implantação.

Caso seja comprovada irregularidade na vacinação, o problema não é do Ministério da Saúde, mas sim da prefeitura, argumentou Carla. “Não temos como armazenar as vacinas, pois elas têm prazo de validade. Agora já não temos mais, mas a quantidade enviada a Campo Grande foi suficiente. O Ministério não poder fiscalizador”, comunicou Carla durante a videoconferência.

Na opinião da coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, alguém da prefeitura tem que arcar com as consequências.

CPI – A CPI que apura irregularidades no sumiço das vacinas na rede pública de saúde em Campo Grande é formada pelos vereadores Marcos Alex (PT), presidente; Livio Viana (PSDB), relator; Chiquinho Telles (PSD), Vanderlei Cabeludo (PMDB) e Edson Shimabukuro (PTB). Na videoconferência realizada hoje apenas os três primeiros estavam presentes.

Segundo Alex, o que ficou entendido com os depoimentos prestados até o momento à CPI é que o sumiço das cerca de 3 mil vacinas não está relacionado à questão de manipulação das doses e processo técnico. “O que nos leva a crer que foi outra situação. Ainda não sabemos dizer qual é, mas existem denúncias de vendas, por exemplo”.

Ainda conforme o vereador petista, a videoconferência teve como objetivo buscar informações junto ao Ministério da Saúde sobre o envio das doses e receber a confirmação de que não faltaram doses. Já foram ouvidos representantes do trio de distribuição das vacinas (SES, Instituto Butantan e Ministério da Saúde).

A diferença entre o volume de doses recebidas e a cobertura vacinal era de 32 mil doses em maio, mas a Prefeitura depurou o número informando que parte ainda estava disponível aos grupos prioritários, incluindo internos dos presídios, restando uma diferença de 3 mil doses que o Poder Público até o momento não soube explicar onde estão.

CPI das vacinas ouve Instituto Butantan e servidora da Saúde na quarta-feira
Os parlamentares que integram a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), criada na Câmara Municipal para investigar o sumiço de vacinas contra o víru...
CPI ouvirá Instituto Butantan e coordenadores de imunização
Para a próxima semana, a programação da CPI (Comissão Parlamentar de Investigação) da Vacina, que apura na Câmara Municipal de Campo Grande o sumiço ...


Sempre estas conversas, não sabemos ainda, mas está claro que houve o desvio de vacinas, sendo para revenda ou vantagens para outros, e não irão punir ninguém, como sempre, se fosse um órgão privado imediatamente seriam demitidos por justa causa.
 
Anderson Souza em 02/07/2016 06:31:14
Sugiro que a CPI investigue se servidores não levaram para imunização de amigos e parentes, pois isso ocorreu em anos anteriores, considerando que sempre sobrava e por haver ausência de controle rígido.
 
Gil em 01/07/2016 16:18:27
E qual será o motivo da prefeitura não ter informado ao Ministério da Saúde o tal sumiço das vacinas?
Carla Domingues comentou que tal situação, nunca aconteceu em outra região, porém, o que ela não deve saber é que também não há em outra região, uma situação como a de Campo Grande, no que diz respeito à prefeitura e seu prefeito.
 
Guto em 01/07/2016 16:18:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions