A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

14/07/2012 13:51

Nos 101 anos da 14 de Julho, liquidações movimentam o centro

Mariana Lopes

No vai-e-vem corriqueiro do centro de Campo Grande, os 101 anos da rua 14 de Julho, comemorados hoje, praticamente passam batidos entre os comerciantes e consumidores.

Rua 14 de Julho. (Foto: Simão Nogueira)Rua 14 de Julho. (Foto: Simão Nogueira)
Para a dona de casa Maria Celeste  é preciso restaurar o prédios antigos da rua. (Foto: Simão Nogueira)Para a dona de casa Maria Celeste é preciso restaurar o prédios antigos da rua. (Foto: Simão Nogueira)

No vai-e-vem corriqueiro do centro de Campo Grande, os 101 anos da rua 14 de Julho, comemorados hoje, praticamente passam batidos entre os comerciantes e consumidores. Na principal rua de comércio da cidade, o movimento é intenso com tantas promoções e liquidações estampadas nas vitrines das lojas.

Entre quem conheceu a 14 de Julho ainda quando ela nem era asfaltada e aqueles que só a viram depois de muitas mudanças feitas, a expectativa é de que até o ano que vem, no próximo aniversário, a rua esteja com a “cara” completamente renovada.

“Não são só as fachadas das lojas, acho que é preciso restaurar esses prédios antigos também, eles estão muito feios, e isso acaba deixando um aspecto velho na cidade”, comenta a dona de casa Maria Celeste Murtada, 61 anos.

Ela foi embora para São Paulo em 1975, mas garante que em suas visitas à Capital Morena acompanhou de perto as tantas mudanças de visual da 14. “Por ser o coração da cidade, acho que deveriam aproveitar o momento e dar um jeito neste asfalto também”, opina.

No meio das promessas de repaginação do centro, a maior expectativa da diarista Eunice Monte Serrate, 54 anos, é a reforma da praça Ary Coelho, localizada no cruzamento da 14 de Julho com a avenida Afonso Pena.

“Quando eu era criança, o chafariz funcionava, ouvi dizer que agora ele vai voltar a jorrar água. Só quero ver”, diz dona Eunice. Moradora antiga da Vila Rica, ela se lembra da rua 14 de Julho quando tudo ainda era terra.

Apesar de as ruas não serem mais de terra e das fachadas não serem mais discretas, o pintor Eduardo Everson Carvalho Chaves Nogueira, 21 anos, aacha que o que falta para a 14 de Julho é modernidade.

“Aqui é um ponto de referência do comércio de Campo Grande e acho que precisa de um ar mais moderno. Para ficar bom, acho que teria que mudar uns 70% as caras das lojas”, opina o jovem.

Mas para quem sente na pele o movimento do comércio, acredita que o que falta mesmo é incentivo. “Hoje temos muita concorrência dos shoppings, principalmente por causa da falta de estacionamento e conforto”, comenta Rodrigo Jarcem, 27 anos, operador de caixa de uma loja da 14 de Julho.

Bandidos armados com faca usam carro prata para assaltar vítimas
Dois homens armados com faca em um carro prata - com placas HTI-8594 - assaltaram ao menos duas vítimas, na madrugada deste domingo (17), no Bairro C...
Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...


Realmente a 14 de Julho e uma rua muito aconchegante para compras. Precisa ser pensado um modo de deixa-la mais alegre, pois maioria gosta de ir na 14 para suas compras.
 
ALEXANDRE C DE CAMARGO em 14/07/2012 04:18:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions