A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

10/08/2013 13:09

OAB estuda recurso para pôr fim à impunidade no Caso Motel

Aline dos Santos

A decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que negou recurso para que os acusados no Caso Motel fossem a júri popular é analisada pela OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil). O objetivo é verificar se há algum recurso jurídico contra o desfecho de impunidade.

“Primeiro, vamos pedir para uma comissão avaliar o caso e vê se cabe algum recurso e se a OAB está dentro do processo”, afirma o presidente da entidade, Júlio César Souza Rodrigues. À época dos assassinatos do estudante Murilo Boarin Alcalde e da garota de programa Eliane Ortiz, a OAB acompanhou o caso. No entanto, é preciso verificar se a Ordem é parte da ação. Caso não seja, não pode ser feito nada em termos de recurso.

“Pela decisão do STJ não pode levar a júri popular, mas vamos verificar se o processo pode ter continuidade para uma condenação monocrática”, salienta o presidente da OAB. O parecer da entidade deve ficar pronto na próxima semana.

Autor do recurso negado, o MPE (Ministério Público Estadual) não se manifestou sobre a decisão do Superior Tribunal de Justiça. Quando o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) decidiu não levar os réus a julgamento popular, a instituição divulgou que recorreria também no STF (Supremo Tribunal Federal).

Nesta semana, o ministro Sebastião Reis Júnior, do STJ, não acolheu recurso que pretendia levar a júri popular três acusados pelo duplo homicídio: Getúlio Morelli dos Santos, Adriano de Araújo Mello e Írio Vilmar Rodrigues.

Getúlio e Adriano são policiais militares. Írio é acusado de ser traficante. O Ministério Público entrou com recurso especial contra decisão do TJ/MS que não pronunciou os acusados em relação à suposta prática de homicídio qualificado (mediante paga, motivo torpe, asfixia, recurso que dificultou a defesa da vítima e intenção de garantir a impunidade de outro crime).

No recurso, o MPE alegou a existência de provas suficientes que atestam a autoria e que, nos casos de homicídio, o juízo natural e competente é o tribunal do júri.

O casal foi encontrado morto em um quarto do Motel Chega Mais, em Campo Grande, no dia 21 de junho de 2005. As suspeitas eram de que Murilo e Eliane, ambos de 21 anos, foram assassinados em outro local e “desovados” no motel. Para o Ministério Público, o duplo assassinato estaria ligado ao tráfico de drogas.

 

STJ nega pedido para levar policiais acusados no Caso Motel a júri popular
Ocorrido há 8 anos em Campo Grande e conhecido como o “Caso Motel”, o assassinato do estudante Murilo Boarin Alcalde e da garota de programa Eliane O...
Caso Motel: MPE recorre a STJ e STF contra absolvições
O MPE (Ministério Público Estadual) entrou hoje com recursos ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra a sente...
TJ rejeita o recurso do MPE para reabrir o Caso Motel
Por unanimidade, a 2ª Turma Criminal do TJ(Tribunal de Justiça) de Mato Grosso do Sul rejeitou ontem recurso do Ministério Público Estadual contra a ...
Caso Motel: juiz aceita recurso e decisão agora é do TJ
O juiz Aluízio Pereira dos Santos, em substituição na 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, aceitou o recurso do MPE (Ministério Público Estad...


isso tem gente grande atras OAB, acha se fosse os peixe pequenos isso nao estava resolvido tenha paciencia para com isso
 
claudinei braz de lima em 10/08/2013 13:43:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions