ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 19º

Capital

Polícia investiga três mortes de idosos em postos; prefeitura culpa frio

Edivaldo Bitencourt e Ricardo Campos Jr. | 30/05/2015 12:22

Em meio à greve dos médicos, que completa duas semanas, e o caos na saúde, três idosos morreram em sete horas após serem encaminhados para as unidades da rede municipal. Os pacientes têm mais de 80 anos e as mortes serão investigadas pela Polícia Civil. O município relaciona os casos ao frio.

A primeira morte foi do aposentado Francisco Dias dos Santos, 82 anos, que reside em Anhanduí. Após sentir dores no peito, o idoso fio até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Bairro Universitário, na saída para São Paulo, às 10h26 desta sexta-feira (29). No entanto, por volta da 15h30, ele sofreu parada cardíaca e morreu.

Segundo a filha, Queli Cristina Oliveira, que registrou o caso, o pai tinha problemas de pressão e sofreu duas paradas cardíacas.

A segunda morte foi de Albina de Freitas Nesso, 80, que passou mal quando tomava banho na residência, no Bairro Silvia Regina, na saída para Aquidauana. Socorrida pelo Corpo de Bombeiros, a mulher foi encaminhada à UPA da Vila Almeida às 18h de ontem. Por volta das 22h45, ela teve parada cardíaca e morreu.

A terceira morte foi de Benedita Alves, 89, que passo mal e foi socorrida até o Centro Regional de Saúde do Bairro Nova Bahia, na saída para Cuiabá. Segundo o neto, Marcílio Acosta de Oliveira, 32, a avó foi transferida imediatamente para o Hospital Universitário, onde teve parada cardiorespiratória e faleceu às 21h20.

As mortes ocorreram durante a greve dos médicos, que só mantêm 30% do efetivo nas unidades 24 horas. Eles decidiram encerrar a greve na quarta-feira à noite, mas o retorno aos trabalhos depende da homologação do acordo entre o Sindicato dos Médicos e a prefeitura pela Justiça.

Explicação - Segundo o coordenador do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), Eduardo Cury, pelo tempo de permanência desses pacientes nas unidades de saúde é improvável que a falta de leitos tenha influenciado nas mortes.

"Quando há uma morte muito rápida, mesmo que chegasse ao hospital e fosse atendido na hora, dificilmente salvaria. Possivelmente são pessoas fragilizadas, com comorbidades, ou seja, não tem só a doença que está levando ao hospital, mas tem outros problemas, como diabetes e hipertensão, que agravam o quadro", pontua.

Possível explicação para a sequência de óbitos pode ser o frio. "Baixa temperatura aumenta a chance de AVE e infartos, já que há o aumento da pressão arterial", afirma. Porém, apenas um exame detalhado nos corpos pode revelar o que levou ao óbito.

Nos siga no Google Notícias