A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

01/11/2013 08:49

Por uma renda extra ou saudade, movimento cresce nos cemitérios

Bruno Chaves
Márcio ganha até R$ 800 com limpeza de túmulos no Cemitério Cruzeiro (Foto: João Garrigó)Márcio ganha até R$ 800 com limpeza de túmulos no Cemitério Cruzeiro (Foto: João Garrigó)

Reservado para homenagens aos que morreram, o Dia de Finados é celebrado pela Igreja Católica no dia 2 de novembro e leva milhares de pessoas aos cemitérios da Capital. Muitas delas, com dias de antecedência, juntam-se em verdadeiros mutirões de limpeza, decoração e organização de túmulos, seja por dinheiro ou por saudade daqueles que se foram.

Desde o início da semana, quem passa ao redor dos cemitérios públicos de Campo Grande percebe a movimentação de vendedores de flores, velas e fósforos. Uma forma de lucrar dinheiro e ajudar aqueles que deixam para comprar os itens básicos de homenagens fúnebres na última hora.

“Este ano investi R$ 1 mil e espero ter um bom retorno. Ano passado eu comprei R$ 700 em flores, velas e fósforos e ganhei R$ 2,5 mil na semana de Finados. Quero vender tudo e ir embora sem nada”, conta a dona de casa Seile Mara Ledesma, 40 anos, que montou uma barraca com os artigos em frente ao Cemitério Santo Amaro.

Já o pedreiro Márcio Duarte Oliveira, 26, aproveita para ganhar um extra limpando os túmulos. “Na semana do feriado, eu chego a tirar R$ 800”, conta. O valor pode até parecer pouco, mas quando o pedreiro conta que cobra de R$ 3 a R$ 5 para capinar a grama com a enxada e tirar o excesso de mato, a quantidade de “clientes” parece assustadora.

“O trabalho é muito rápido. To limpando uma sepultura e já tem duas ou três pessoas chamando para a próxima limpeza. É muita gente”, revela. O pedreiro lembra que chega ao Cemitério Cruzeiro às 6h e só sai de lá depois de uma jornada de 11 horas, às 17h30. “Nesse horário que o movimento começa a cair”.

O fato de a limpeza no cemitério na semana de Finados ser encarada como trabalho não impede Márcio de se emocionar com seus “clientes”. “Tem momentos que eu estou limpando e a pessoa começa a conversar e se comover. Elas ficam com saudades e eu me emociono com isso”, diz, lembrando que é preciso ganhar a renda extra e deixar de visitar os próprios parentes falecidos.

Vendedora de flores teve bom lucro em 2012 e tenta repetir a dose em 2013 (Foto: João Garrigó)Vendedora de flores teve bom lucro em 2012 e tenta repetir a dose em 2013 (Foto: João Garrigó)
Casal tentou inovar e fez uma espécie e banner para homenagear a filha falecida (Foto: João Garrigó)Casal tentou inovar e fez uma espécie e banner para homenagear a filha falecida (Foto: João Garrigó)
Neta, solicita, vai a túmulo de avós para limpar e enfeitar o objeto (Foto: João Garrigó)Neta, solicita, vai a túmulo de avós para limpar e enfeitar o objeto (Foto: João Garrigó)

Tributo aos que foram – Mais do que obrigação, ir ao cemitério e preparar a limpeza dos túmulos para o Dia de Finados é uma forma de consideração aos que não estão mais entre nós. Para inovar e sair da mesmice das flores e velas, Antônio Evangelista, 64, decidiu fazer algo diferente em 2013.

Para homenagear a filha, que morreu em 1995 em um acidente automobilístico, Antônio decidiu fazer, utilizando as próprias mãos, uma espécie de banner em um suporte de madeira com a foto da jovem.

“Em todos os anos, eu e a minha esposa sempre trazíamos flor. Esse ano decidimos fazer algo diferente para tirar a cara de cemitério. Se todo mundo cuidasse assim, não ficava um cemitério tão triste”, opina.

Para confeccionar o presente, R$ 650 foram gastos. “É gratificante”, garante. O valor investido nas homenagens inovadoras superam os R$ 400 gastos em anos anteriores. Isso porque além das plantas decorativas, o casal sempre coloca uma tenda para proteger os homenageadores do sol ou da chuva.

Em um tributo mais singelo, porém não menos importante, a funcionária pública Anderlene Luisa Souza Ferreira, 37, costuma ir ao cemitério cuidar do túmulo dos avós. “Pelo menos nessa data eu venho, já que o resto do ano não sobra tempo”, conta.

Acompanhada do marido Josiel Farias Ferreira, 31, a mulher já está há cinco anos seguidos prestando esse tipo de homenagem aos familiares mortos. “Limpo o túmulo, coloco flores e acendo velas. Tudo em consideração”, revela.

Já o marido, solicito, acompanha a esposa por respeito. “Não conheci os avós dela. Mas me sinto bem em vir aqui e ajudar na limpeza”, afirma.

No Dia de Finados haverá reforço no transporte público em Campo Grande
Ao todo, seis linhas do transporte coletivo, que dão acesso aos cemitérios de Campo Grande, vão receber reforços no Dia de Finados (2). Além disso, a...
Ciptran autua mais de 200 condutores durante a Operação Finados
A Ciptran (Companhia Independente de Policiamento de Trânsito) divulgou hoje (5) o resultado da Operação Finados. Durante os quatro dias de operação ...


Temos que orar pra quem esta vivo ,nao pra quem esta morto ,jesus disse: ide pregar o evangelho orar pelos doentes,enfermos,paraliticos etc...nao esta escrito orar pelos morto.por isso temos que orar pelos vivos continuarem vivos e acordarem para Jesus.
 
walter rocha silva em 01/11/2013 12:47:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions