A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 14 de Dezembro de 2019

21/11/2019 09:48

Sem testemunhas, júri é cancelado e família lamenta impunidade

A filha de Ramona, uma vizinha e um homem que testemunhou o crime não foram localizados na manhã de hoje

Fernanda Palheta e Geisy Garnes
Tribunal de Júri de feminicídio (Foto: Geisy Garnes)Tribunal de Júri de feminicídio (Foto: Geisy Garnes)

Sem três testemunhas intimadas pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), o julgamento de Genilson Silva de Jesus, 43 anos, réu por matar a esposa Ramona Regilene Silva de Jesus com 10 facadas em 2017, foi cancelado nesta quinta-feira (21). O novo julgamento será marcado para o ano que vem.

A filha de Ramona, uma vizinha e um homem que testemunhou o crime não foram localizados na manhã de hoje. De acordo com o MPE estas três são imprescindíveis para o julgamento. Diante da ausência o titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Carlos Alberto Garcete, anulou o júri.

Na nova data do júri, que ainda será marcada, as três testemunhas serão conduzidas coercitivamente, ou seja, serão levadas pela polícia ao tribunal.

Sobrinhas da vítima, Ariadne Verônica Tamires da Silva e Susane dos Santos Brites com camisetas em protesto ao crime (Foto: Geisy Garnes)Sobrinhas da vítima, Ariadne Verônica Tamires da Silva e Susane dos Santos Brites com camisetas em protesto ao crime (Foto: Geisy Garnes)

Sem o julgamento de Genilson, familiares de Ramona, vestidas com camiseta com a foto de Ramona e a frase: “quem ama não mata, não maltrata e não humilha”, lamentaram a impunidade do caso. “O que revolta é que ele ficou quatro meses preso e no primeiro ano depois do crime, ele já passou o Natal com a família”, criticou Regina Aparecida Tamires da Silva, de 51 anos, irmã de Ramona. “Eu sempre falo que quem está preso é minha irmã, naquele caixão”, completou.

Já as sobrinhas da vítima, Ariadne Verônica Tamires da Silva e Susane dos Santos Brites se revoltaram com a ausência das testemunhas. “No velório a filha dela estava chorando com a gente e agora ela não está aqui para ele ser julgado”, criticou Ariadne.

Feminicídio – Genilson matou Ramona com 10 facadas, em junho de 2017, no residencial Celina Jallad, na Rua Rosa Ferreira Pedro. A vítima foi atingida a golpes de faca ainda dentro da casa. Mesmo ferida, Ramona atravessou a rua em busca de socorro.

O que era rápido, melhorou! Seja exclusivo, cadastre o telefone (67) 99981 9077 e receba as notícias mais lidas no Campo Grande News pelo seu WhastApp. Adicione na sua lista de contato, mande um “OI”, e automaticamente você será cadastrado.

Campo Grande News - Lista Vip WhatsApp
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions