A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

22/12/2010 16:00

UFMS afirma que reitora demitiu professores após denúncias e sindicância

João Humberto
Alunos ainda estão surpresos com a decisão na UFMS. (Foto: João Garrigó).Alunos ainda estão surpresos com a decisão na UFMS. (Foto: João Garrigó).

A assessoria de imprensa da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) encaminhou nota de esclarecimento ao Campo Grande News a respeito das demissões dos professores do curso de licenciatura em História, Cezar Augusto Benevides e Nanci Leonzo, publicadas na edição de ontem do Diário Oficial da União. Elas foram autorizadas pela reitora, professora doutora Célia Maria da Silva Oliveira.

Segundo a assessoria, a decisão é baseada num fato que aconteceu em 2006, quando os professores providenciaram a aquisição de livros, “em desvio de finalidade do convênio Fadems (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Educação de Mato Grosso do Sul)/UFMS Vestibular 2007, sem licitação dispensa ou inexigibilidade”.

Na ocasião, de acordo com a assessoria de imprensa, o professor Cezar era pró-reitor de ensino e graduação, sendo responsável como gestor do referido convênio. Após levantamento patrimonial ocorrido no curso de História, foi verificada a necessidade de regularização do conjunto de livros, que constavam no inventário patrimonial da universidade.

A partir do levantamento nasceu a denúncia, efetuada na direção do CCHS (Centro de Ciências Humanas e Sociais) da instituição. Uma sindicância foi realizada, que culminou na abertura de processo administrativo disciplinar, sempre acompanhado pelo advogado de defesa do professor.

Como a sindicância identificou irregularidades, foi determinada a revogação dos atos praticados. Seguindo o parecer da Procuradoria Federal, novo processo administrativo disciplinar foi aberto, conforme informações da assessoria de imprensa.

Já sobre a compra do acervo de livros, a assessoria de imprensa da UFMS afirma que não foi aprovada pelo Conselho Universitário, diferente do que informou o professor Cezar Benevides ao Campo Grande News, quando visitou a redação no fim de novembro. Uma cópia da ata da 93ª Reunião Ordinária do Conselho Universitário da UFMS, realizada em 22 de junho de 2007, foi encaminhada à reportagem.

Conforme descrito pela ata, a professora Célia realmente era membro do Conselho Universitário. No entanto, especificamente nessa reunião não foram analisados assuntos pertinentes à prestação de contas, questões orçamentárias, contábeis, financeiras, etc.

Defesa - Os servidores foram interrogados a respeito das denúncias, apresentaram defesa prévia, por intermédio de advogado, bem como alegações finais. Depois disso, foi apresentado relatório final pela comissão processante, submetido à Procuradoria Federal na UFMS, tendo ambos recomendado demissão, em virtude de improbidade administrativa.

As demissões dos professores, conforme explica a assessoria de imprensa da UFMS, ocorreu em decorrência da recomendação de pareceres acatados pela reitora, mesmo não tendo ela iniciado de ofício o processo, que nasceu por intermédio de denúncia. Além do processo administrativo disciplinar, a mesma questão também está sub judicie, tendo sido proposta ação de improbidade administrativa pela AGU (Advocacia Geral da União), distribuída perante a 4ª Vara Federal, para ressarcimento ao erário público e aplicação das sanções previstas na lei de improbidade administrativa.

Os professores Cezar e Nanci, conforme a UFMS, já responderam a outros processos administrativos disciplinares, tendo recebido duas advertências e uma suspensão por 90 dias. Neste processo da suspensão, a reitora inclusive reduziu os riscos da sanção proposta pela comissão processante, que era de demissão.

Por conta de das denúncias, a reitora não poderia ter agido diferente, diante dos pareceres constantes do processo e relatório da comissão processante, finaliza a nota.

Outro lado - O professor doutor Cezar confirmou que comprou em meados de 2006 um acervo de aproximadamente 2,5 mil livros de uma coleção da professora Nanci Leonzo. Ele argumentou que em outubro deste ano, a reitora entrou com representação no MPF (Ministério Público Federal) o acusando de ter se beneficiado com a compra dos livros.

Como Nanci e Cezar viveram juntos entre o fim da década de 80 e início da década de 2000, a reitora atribuía ao relacionamento um jogo de interesses por parte do professor em adquirir o acervo, conforme ele mesmo disse à reportagem. Na ocasião ele confessou que repudiava o fato de que uma relação afetiva estivesse sendo enfocada numa questão tão delicada.

Devido supostas perseguições e retaliações sofridas em meio a ameaças e até boatos que constantemente o abordavam e que envolviam a reitora, Cezar decidiu ingressar com mandado de segurança, em maio deste ano, apresentando toda a lista dos livros adquiridos da professora Nanci, bem como aproveitou para reforçar a "mania" de perseguição da reitora para com ele.

Ainda de acordo com Cezar, a reitora teria ido até São Paulo (SP) para tentar reverter a decisão da Justiça que inocentou o professor de ter cometido improbidade administrativa. “Por isso, agora ela quer levantar questionamentos a respeito do relacionamento que tive com a professora Nanci. Isso não tem nada a ver”, explicou ele.

Sobre a assessoria de imprensa estar desmentindo sua observação a respeito das contas terem sido aprovadas pelo Conselho Universitário em reunião ocorrida em 2007, o professor Cezar reitera que a reitora que a reitora, assim como todo o Conselho Universitário realmente estavam cientes sobre a compra dos livros.

"Todas as contas são aprovadas com base no conselho fiscal para o MPF (Ministério Público Federal) examinar. Se tem alguém que está mentindo é a reitora", destaca Cezar.

Sobre as demissões, o professor Cezar diz que agora aguardá sua notificção, para depois discutir a questão em Foro Judicial. "Há prazo para entrarmos com recursos, a fim de tomarmos medidas judiciais", completa, informando que já fechou o departamento do curso de História e que entregará as chaves só à Justiça Federal.

Professor pedirá impeachment de reitora da UFMS ao MPF
Chefe do Departamento de História da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), o professor Cezar Augusto Carneiro Benevides pretende abrir p...
Cézar Benevides renuncia à candidatura de reitor da UFMS
Cézar Benevides renunciou nesta manhã à candidatura a reitor da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) em protesto pela forma como as elei...
STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...


OI GENTE, É IMPOSSÍVEL LER TUDO ISSO QUE ESTÁ SENDO DISCUTIDO AQUI E FICAR PACÍFICA. SEM TAMBÉM ESCREVER ALGUMA COISA.
CONCORDO COM O COMENTÁRIO DA JANETE: “ESSES PROFESSORES DEVEM PERTENCER A ALGUM NARCOSERVIÇOPÚBLICO.....” TAMBÉM GOSTEI MUITO DESSE TERMO. DEVEMOS CRIÁ-LO NO DICIONÁRIO BRASILEIRO PARA DESIGNAR GRANDE PARTE DOS FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO BRASILEIRO.
QUE ESSES PROFESSORES PAGUEM PELO QUE NÃO FIZERAM EM RESPEITO AO SEUS CURSOS DE GRADUAÇÃO, MESTRADO, DOUTORADO E PÓS-DOUTORADO PAGOS COM NOSSO DINHEIRO. GENTE ASSIM, QUE VENDE E NÃO ENTREGA E QUEM COMPRA PARA FAVORECER OUTRO DEVE IR PARA A CADEIA, IMAGINA ENTÃO, COM DINHEIRO PÚBLICO. NOSSO DINHEIRO, INSISTO.
AGORA, COM RELAÇÃO AO EVENTO, O PESSOAL DEVE ESTAR FALANDO DOS HISPANISTAS, O PIOR É QUE EU PARTICIPEI DAQUELA PORCARIA DE EVENTO. FOI O MAIOR FIASCO O DAQUI, MENOS DE 200 INSCRITOS E ACHO QUE MENOS AINDA OS QUE VIERAM. O ANTERIOR, QUE OCORREU EM MINAS FOI UM SUCESSO, MAIS DE 1000 INSCRITOS E PRESENTES. MAS LÁ, DIZEM QUE NÃO TINHA PATOTA DE HORROROSOS COORDENANDO O EVENTO, LIDERADOS POR UMA NARCOSERVIDORAPÚBLICA. QUE TAMBÉM NÃO É DIGNA DE SER CHAMADA DE PROFESSORA, A ROSANA ZANELATTO, E QUE CONCORDO TAMBÉM COMO ALUNA, DEVIA SER INVESTIGADA.
PORQUE TAMBÉM PAGUEI A INSCRIÇÃO DE MAIS DE R$100,00 DEPOSITANDO NUMA CONTA POUPANÇA EM NOME DELA PRÓPRIA. SE ALGUÉM PRECISAR PROCURO O COMPROVANTE PARA SERVIR DE PROVA CONTRA ESSA TRAFICANTE DO ENSINO PÚBLICO BRASILEIRO. E ELA AINDA VIVE NA MINHA UNIVERSIDADE DANDO CURSOS E PALESTRAS GANHANDO A MAIOR GRANA. ELA PÕE OS SEUS ALUNOS PARA DAR AULAS LÁ E VIVE LÁ GANHANDO UMA ALTA GRANA POR BAIXO DOS PANOS. DEUS NOS LIVRE DESSA PRAGA GENTE.
QUERO FAZER USO DAS PALAVRAS DO COMENTÁRIO DA JANETE NOVAMENTE, PORQUE PARTILHO DA IDEIA E DO DESEJO DELA, PARA ENCERRAR MEU DESABAFO. PORQUE PAGAR POR UM EVENTO É NORMAL, MAS MAIS DE R$100,00 E O EVENTO NÃO PRESTAR; E O QUE É O PIOR, OS CERTIFICADOS NÃO SAÍRAM ATÉ HOJE. E DISSERAM QUE IAM SER ENVIADOS PELO NOSSO EMAILS PARA NÓS IMPRIMIRMOS. NEM GASTAR O DINHEIRÃO QUE ESSA TURMINHA DO HORROR GANHOU COM IMPRESSÃO A SUA LÍDER COM SEU FILHINHO APRENDIZ DE HORROROSO QUIS GASTAR:
“TCU FIQUE DE OLHO NESSE POVO. MINISTÉRIO PÚBLICO FAÇA UMA SINDICÂNCIA NESSE EVENTO HISPANISTAS....
 
Maria Aparecida dos Santos em 24/12/2010 09:20:22
Bom pessoal, como acedêmico de História, não posso deixar de ter um posicionamento a respeito dos ocorridos.
Não quero tomar partido de um ou outro professor, até porque estou neste "barco a deriva" desde 2008 e esta briga vem de datas antigas.
Mas uma coisa é certa, não creio que haja professores mais qualificados no Curso de História que os professore Cézar Benevides e Nanci Leonzo.
Em contra partida, se a ilustrissima senhora reitora passar na minha frente, não saberei de quem se trata pois nem sei a fisinomia da dita cuja de tão presente que ela é para o curso de História na UFMS.
Não posso falar do que não sei, mas posso falar do que sei. E sei que os Professores em questão sempre fizeram muito para o curso de História, diferentemente da senhora reitora que a meu ver, tem o curso de História como uma pedra em seus sapatos "prada', pois este, forma pensadores e formadores de opinião.
Tudo que alguem que detem o poder não quer.
Senhores, nossos governantes gastam mais com um detento do que com um aluno.
Tem presos que comem comida de restaurante enquanto o trabalhador tem que comer arroz com ovo a semana toda.
Por que será?
sabe por que?
Porque o povo tem a capacidade em eleger um homem semi analfabeto para tirar de nós 26 mil Reais por mes. Enquanto um professor tem que trabalhar muito pra ganhar um Décimo disso.
Ou seja, para os governantes é ótimo que continuemos ignorantes a merce de um sistema que só funcio para os que estão no topo do Iceberg.
Caros colegas de História, não podemos nos calar diante de tal situação, pois quem está perdendo com isso, somos nós.
 
Julio Cesar Lopes Acadêmico de História UFMS em 24/12/2010 08:27:10
Eu também fui enganada neste evento por essa narcotraficante do ensino público brasileiro!!!!!
Cadeia nela gente!!!!!
Reitora da UFMS e administração da UNIDERP processem essa chalartã da pesquisa!!!!
 
Márcia Ribeiro Pena em 24/12/2010 07:02:05
Pessoal, não estou retrucando e muito menos desafiando alguém.

Mas vejam isso. Um pequeno recorde do currículo lattes da exonerada:

Livros publicados/organizados ou edições
1. BENEVIDES, C. A. C. ; LEONZO, N. . Centenário da Miranda Estância. 1a.. ed. Campo Grande: Dos autores, 2010. v. 1. 48 p.
2. CANCINO, Hugo (Org.) ; BOGANTES, Cláudio (Org.) . Intellectual Work, Thought and Modernity in Latin America. Aarhus: Universidad de Aarhus/Centro de Estudios Latinoamericanos (CLAS), 2002.
3. LEONZO, N. ; BENEVIDES, C. A. . Miranda Estância: ingleses, peões e caçadores no pantanal mato-grossense.. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV/MINC, 2001. 216 p.
4. LEONZO, N. ; BENEVIDES, C. A. . Miranda Estância: ingleses, peões e caçadores no pantanal mato-grossense. 1. ed. Rio de Janeiro: FGV/MINC, 1999. 216 p.
5. TRONCOSO, H. C. (Org.) ; KLENGEL, S. (Org.) ; LEONZO, N. (Org.) . Nuevas perspectivas teóricas y metodológicas de la Historia Intelectual de América Latina. . 1. ed. Madrid: Iberomaericana, 1999. v. 1. 342 p.
6. LEONZO, N. . Introdução e notas ao Testamento Político de D. Luis da Cunha.. São Paulo: Alfa-Ômega, 1976.


Abraços e espero que entendam o que quis dizer.......
 
Paulo José em 23/12/2010 11:49:39
Gente, alguém tem que chamar a polícia para uma “narcopesquisadora” dessa!!! Como é que pode organizar um evento com dinheiro da inscrição em depósito em conta particular dela? Isso é uma vergonha!!!!
Agora sobre essa de exonerar professor doutor da UFMS. Já achei até um blog na internet postando essas notícias aqui. O nome é ACADÊMICO UFMS. Tá no endereço http://academicoufms.blogspot.com/ e tem até uns comentários lá. A coisa deve ser muito séria, porque a UFMS já tá na internet.
Isso é muito bom, divulgar e discutir tudo que ocorre na nossa sociedade, as pessoas devem ficar sabendo de tudo que tá acontecendo para que não deixem ocorrer com elas também.
Esses professores devem pertencer a algum narcoserviçopúblico..... gostei disso (é a cara do serviço público brasileiro), como disse um dos comentários ai, bem como a tal pesquisadora e outros professores da UFMS. Quem sabe não tem muito mais gente nessas jogatinas universitárias que a gente nem fica sabendo porque um não roubou mais que o outro, então não deu confusão? ? ? ? ? ? ?
TCU fique de olho nesse povo. MINISTÉRIO PÚBLICO faça uma sindicância nesse evento que o rapaz denuncia....

OLHA O NOSSO DINHEIRO INDO EMBORA AI GENTE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Janete Perez em 23/12/2010 11:42:30
Estava vendo tudo isso com indignação, mas sem vontade de falar nada, mas quando vi a porofa. Nanci falar com está empáfia toda.... não aguentei...... ela está esquecendo o quanto perseguiu um professor da Ciências Sociais? Eu era aluno, vi como foi....agora vem posar de vítima de torquemada???? para!!! memória curta dessa professora.
 
Cristian Moraes em 23/12/2010 09:14:05
Lamentáveis essas brigas! Feio mesmo! Será que esse povo não tem coisa mais importante pra fazer?!
 
Gilberto Ramos em 23/12/2010 09:11:55
A assessoria da UFMS, deveria, informar com seriedade, já que exerce um papel preponderante perante a população, a verdade apresentada está distorcida, o presidente da Comissão, indeferiu o pedido de produção de provas dos professores, não juntou o recurso enviado a ele pelo protocolo central da UFMS e sobre o desrespeito ao advogado, onde intimado pelo correio para participar da audiência designada pela comissão para o dia 25 de novembro e sorrateiramente realizou a audiência no dia 24 de novembro, qual a credibilidade que uma autoridade tem em prosseguir num processo cheio de falhas, se mente até para o advogado de defesa, tentanto bajular a senhora reitora, nada do que produziu fora obedecido o devido processo legal, encerrou os trabalhos, sem responder sobre sua suspeição e sobre o conteúdo do recurso ou enviar para o conselho diretor, que deveria se pronunciar, sobre esse recurso administrativo, encerrou os trabalhos ilegalmente e em apenas cinco dias, veio a demissão, em verdade, essa decisão administrativa, é improcedente, os dois professores, são fundamentais para o Curso de História da UFMS, sõ não são reconhecidos pelos atuais integrantes da Reitoria, que deveria repensar, a universidade é de todos e não pertence a grupos, como se fosse fundo de quintal.
 
osório Caetano de Oliveira em 23/12/2010 07:19:15
Veja bem. Esta Reitora apura casos de irregularidades inventadas. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL e a JUSTIÇA FEDERAL deveria investigar casos como TRANSPORTE ILEGAL DE ELEITORES, que foi feito por esta Reitora da UFMS. Até o momento nada foi apurado sobre isto. Engrçado, a Reitora tentando pousar de boazinha e transportando eleitores com carro oficial da UFMS e pagando até diárias.
isso sim é engraçado. consultem e vejam o que acontece realmente.
 
Roberto Arruda dos Santos Pereira em 23/12/2010 04:33:51
Só entregará a chave à Justiça Federal????...Só na UFMS essas coisas acontecem!!! Mais um teatrinho!...
 
Gregório Guerra em 22/12/2010 09:37:42
Para "Paulo José"


Não costumo responder a "comentários" desastrosos, mas estou realmente penalizada com sua performance.
O Sr. conhece a Plataforma Lattes? Parece que não.
Ainda mais. Seu "comentário" revela que o senhor nada sabe sobre os assuntos relacionados com a UFMS e, principalmente, com o Curso de História/CCHS.
Apenas para comprovar quão indevidas e inúteis são suas palavras: o curso de História/CCHS não foi agraciado pela Reitora com nenhum substituto, até mesmo quando foram dadas prolongadas "licenças psiquiátricas" aos "doentes imaginários", que tentaram, a princípio,conforme a feliz observação de um ex-aluno do mesmo curso, repetir o clássico "Fico". O certo é que ele funcionou, desde abril de 2009, com onze valorosos professores voluntários. Mesmo assim, foi novamente aprovado, neste último semestre de 2010, pela Comissão enviada pelo MEC/INEP.
Deram-lhe uma incumbência lamentável. Um conselho: tente cair fora da próxima "missão impossível".
 
Profa. Nanci Leonzo em 22/12/2010 08:51:20
Mais uma vez a Reitora tenta, sem sucesso, sair pela tangente. Ela omite as sindicâncias instruídas por atas irregulares (não aparece o nome de quem as produziu), o habitual cerceamento de defesa e os reais interesses dos detratores de carteirinha, travestidos de inquisidores. Sim, na UFMS existe um grande número de adeptos de Torquemada, que se "realizam" nessas investigações. Um deles, que se apresenta como especialista em direitos humanos, não compareceu a um depoimento, mas, sem nenhum pudor, assinou o resultado final.
Se a Reitora quer mesmo "moralizar" a UFMS por que não ordena a abertura de uma sindicância - estas precedem os processos administrativos - para apurar os fatos referentes ao aluguel, durante um evento realizado no ano passado, do saguão do Teatro Glauce Rocha para livreiros? Este professor, hoje muito "doente" e que faz da UFMS o quintal de sua propria casa, abandonou o Curso de História repentinamente, fazendo-se de vítima, e agora quer voltar para continuar enchendo os bolsos mediante a exploração e a extorsão de alunos. Quem mesmo cometeu o crime de impobridade administrativa? Esta é também uma das razões da já famosa exoneração de professores realmente comprometidos com a universidade pública cujo ensino deve primar pela qualidade.
Devo ainda registrar o fato de que à frente das "investigações" encontra-se um protegido de um importante político local, que entrou na UFMS pela porta dos fundos e hoje manda e desmanda. Recentemente, ele devolveu a uma Comissão, cerca de três vezes, um processo porque o resultado final inocentava a minha pessoa e a do Prof. Cezar Benevides. Mais este feito: outra Comissão, com base nos poucos documentos que lhe foram entregues, recomendou três punições: a minha, a do Prof. Cezar e a do Prof. Sandro Rogério Monteiro de Oliveira. Como este último é amigo pessoal do tiranete e foi, na última eleição para Reitor (a) um fervoroso aliado da candidata eleita, nada lhe aconteceu.
Deixo para outra oportunidade a abordagem de problemas relacionados com as bolsas destinadas ao corpo docente e ao discente.
Aproveito a oportunidade para garantir aos alunos do Curso de História que não mais precisarão organizar "festinhas" e afins para uma professora que chegou a montar uma empresa de fachada para tentar legitimar um processo de extorsão que teve como cenário a Unidade VI da UFMS e, conforme afirmou um "comentarista" que me precedeu, forneceu certificados referentes a um evento fazendo uso de critérios familiares: dois para a própria mãe e um para o filho. Esta é uma pequena amostra do que ocorre, com freqüencia, na UFMS.
Penso que ficou um pouco clara a razão pela qual eu e o Prof. Cezar Benevides somos perseguidos, implacavelmente, pela Reitora e seus prepostos. Querem nos calar, mas será difícil.
 
Nanci leonzo em 22/12/2010 07:44:18
É desanimador acompanhar notícias assim. Fica a pergunta: o que a Reitora está fazendo para que o Curso de História não termine? E os acadêmicos, como ficam?
 
Milton Quaresma em 22/12/2010 06:35:53
Fui academico de historia da UFMS, tive o privilegio de ter sido aluno do Dr Cezar e da Dra Nancy. Durante os 4 anos de academia, sempre vimos nos dois grande interesse em defender o interesse e o crescimento do curso de historia. Nos 4 anos de faculdade nunca vi a reitora....não conheço.....nunca falou conosco sobre as dificuldades do curso. Nunca vimos a reitora "lutar" em nossa defesa....Quanto ao curriculo do Dr Cezar e da Dra Nancy, duvido que haja algum professor na UFMS com o mesmo curriculo deles. É uma grande perda para o curso de historia, agora acredito que este curso, que já agonizava, está com o dias contados. Hoje é um dia triste. Por que será que os ditadores não gostam de historiadores?
 
Renato Tolentino Alves. em 22/12/2010 06:05:17
Eu nunca vi esses livros...
Mas que bom que já me formei... e agora como vão ficar os alunos???
 
Wladmir Santos em 22/12/2010 05:14:06
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions