ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  11    CAMPO GRANDE 20º

Interior

Ao relento depois de temporal, índios pedem doações de alimentos e lonas

Prefeitura destinou cestas básicas para as famílias desabrigadas, mas os indígenas ainda precisam de doações

Por Viviane Oliveira | 25/05/2020 11:55
Temporal destruiu barracos, móveis e mantimentos (Foto: Ponta Porã News) 
Temporal destruiu barracos, móveis e mantimentos (Foto: Ponta Porã News)

Temporal registrado na última sexta-feira (22) destruiu barracos, destelhou escola e deixou cerca de 20 das 35 famílias que vivem na aldeia indígena Kokue-Y desabrigadas. A comunidade fica  na Cabeceira do Apa, distrito distante cerca de 80 quilômetros de Ponta Porã. A Assistência Social do município destinou cestas básicas, cobertores e lonas para as famílias desabrigadas, mas os indígenas ainda precisam de doações, principalmente de roupas. Assista, abaixo, ao vídeo, sobre o relato de um dos moradores.

Conforme a secretaria de assistência social da cidade, Vera Lúcia Oliveira de Souza, no sábado de manhã as equipes foram até a aldeia prestar os primeiros atendimentos. "A situação era mais grave do que imaginávamos. Eles perderam tudo. Fizemos o primeiro atendimento fornecendo lonas (a pedido da comunidade), cobertores e alimentação", contou. Segundo Vera, as famílias não aceitaram sair da área.

Nesta segunda-feira (25), profissionais de saúde voltaram a aldeia. Como está fazendo muito frio, a preocupação é maior ainda, principalmente com a covid-19 (a queda de temperatura causa também a baixa da imunidade). "Por ser uma comunidade indígena temos limitações legais", explicou a assistente social. Segundo a titular da pasta,  a Funai (Fundação Nacional do Índio) já foi acionada, mas alegou falta de recurso para socorrer as famílias.

"Eles estão sendo assistidos pelas nossas equipes. Vamos dar uma atenção maior nesta semana", reforçou Vera Lúcia. Quem quiser fazer doações de roupas, cobertores, alimentos e lonas podem procurar o Cras ( Centro de Referência da Assistência Social), Copha Fronteira, na Rua Vacaria, ou ligar para o telefone (67) 3431-7058 da prefeitura. Nesta madrugada, foi registrado na cidade temperatura mínima de 8,2ºC com sensação térmica de 5ºC.

Destruição - O temporal derrubou barracos e até o telhado de uma escola foi arrancado pela força do vento. A rede de energia elétrica que abastece a aldeia também foi danificada. Árvores foram arrancadas pela raiz e pelo menos uma pessoa ficou ferida, mas não precisou de atendimento médico.