ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Brasileiros presos em reunião do PCC na fronteira são entregues à PF

Entre eles está Weslley Neres dos Santos, o "Bebezão", novo líder na fronteira

Por Helio de Freitas, de Dourados | 24/03/2021 13:32
“Bebezão” na viatura da Polícia Federal, em Pedro Juan Caballero (Foto: Divulgação)
“Bebezão” na viatura da Polícia Federal, em Pedro Juan Caballero (Foto: Divulgação)

Já estão na delegacia da Polícia Federal em Ponta Porã (a 323 km de Campo Grande) os seis brasileiros presos ontem (23) em Pedro Juan Caballero na segunda fase da Operação Fronteira Segura, desencadeada pela Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) com apoio da PF brasileira.

Apontados como membros de nível médio-alto do PCC (Primeiro Comando da Capital), eles foram formalmente expulsos do Paraguai e entregues a agentes brasileiros por volta de 12h30 (horário de MS).

Vigiados por forte esquema de segurança, os seis foram colocados um a um nas viaturas da PF e trazidos para o território brasileiro. Segundo o promotor paraguaio Celso Moraes, a expulsão foi imediata devido ao risco de tentativa de resgate.

Entre os presos está o paulista Weslley Neres dos Santos, o “Bebezão”, 34, apontado como novo líder da facção brasileira na linha internacional entre o Paraguai e Mato Grosso do Sul. Também foram expulsos Bruno Cesar Pereira, Alfredo Gimenes Lorrea, Bruno Rafael Porto de Oliveira, Maxlese Rodrigues e Wiilian Meira do Nascimento.

Os seis brasileiros foram presos junto com os paraguaios Yoni Gomez Gimenez, Jonathan Rodrigo Ramires Alvarez, Vicente Silva Cristaldo, Benigno Jara Alvarez, Nelson Gustavo Amarillo Elizeche, Rodrigo Ariel Acosta, Pedro Pablo Gauto e Sergio Gomez Gimenez.

Veja o vídeo:

Segundo a Senad, os 14 bandidos estavam reunidos ontem em Pedro Juan para definir ações criminosas, que incluiriam assalto a agências bancárias no lado brasileiro da fronteira e ataques a carros-fortes no Paraguai. Com eles foram apreendidos 11 veículo (a maioria caminhonetes), seis fuzis automáticos, coletes à prova de bala e farta munição.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário