ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, SEGUNDA  06    CAMPO GRANDE 32º

Interior

Defesa usa filhos para tentar por em liberdade coautora de assassinato

Crime aconteceu no dia 15 de julho numa pousada em Porto Murtinho. A vítima foi dopada pelo amante e morta a pauladas

Por Viviane Oliveira | 27/11/2019 13:25
Regiane está presa desde o dia 24 de agosto (Foto: divulgação/Facebook)
Regiane está presa desde o dia 24 de agosto (Foto: divulgação/Facebook)

A defesa da professora Regiane Marcondes Machado, 33 anos, presa desde agosto por ajudar o amante, José Romero, 37 anos, a matar e ocultar o corpo da funcionária pública Nathália Alves Corrêa Baptista, 27 anos, está tentando colocar a acusada em liberdade. A Justiça ainda não avaliou o pedido, que argumenta a necessidade de Regiane cuidar dos filhos como motivo para a concessão do pedido.

Tanto a mulher presa quanto  vítima mantinham relacionamento amoroso com José Romero, na época gerente de uma pousada, em Porto Murtinho, distante 431 quilômetros de Campo Grande. 

"A acusada é mãe de duas crianças de 3 e 7 anos, assim sendo a mesma não deve em hipótese alguma aguardar julgamento no ambiente do cárcere, pois, é nítido o prejuízo que essa medida irá causar no ambiente familiar e na educação dos seus filhos. Nesse sentido o STF (Superior Tribunal Federal) decidiu recentemente que mães com filho menores de 12 anos devem,cumprir medidas cautelares em sua residência próxima aos filhos", registou o advogado Luciano Caldas dos Santos.

O advogado afirma ainda que a cliente é ré primaria, tem família constituída, residência fixa e emprego fixo, ou seja, não há motivos para que sua prisão preventiva seja mantida.

Consta nos autos de investigação que, durante a noite do dia 15 e a madrugada do dia 16 de julho, no quarto 3 de uma "Pousada em construção", localizada na Rua Afonso Pena esquina com a Rua Coronel Ponce, no Centro de Porto Murtinho, José Romero e Regiane, atraíram a vítima até o local. Lá, Nathália foi dopada e morta a golpes de barra de ferro pelo homem, como "prova de amor" a amante. 

Após o crime, os dois queimaram o corpo da vítima, numa casa localizada na Rua General Osório, com a finalidade de ocultá-lo.

O colchão onde ocorreu o crime, os objetos da vítima, assim como os restos mortais dela foram jogados no Rio Paraguai. Durante investigação da polícia, testemunhas informaram que Regiane havia flagrado Romero com Nathália e enviado mensagens mandando que se afastasse. Em seus depoimentos, o homem negou o crime, atribuindo-o à amante. José Romero também está preso. 

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário