ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SÁBADO  02    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Deputado inimigo do PCC na fronteira morre de covid aos 55 anos

Robert Acevedo era de Pedro Juan Caballero e estava internado há duas semanas

Helio de Freitas, de Dourados | 26/02/2021 08:32
O deputado Robert Acevedo, que morreu hoje vítima da covid-19 (Foto: ABC Color)
O deputado Robert Acevedo, que morreu hoje vítima da covid-19 (Foto: ABC Color)

Depois de passar duas semanas internado em estado crítico, morreu nesta sexta-feira (26) o deputado paraguaio Robert Acevedo. Representante do Departamento (equivalente a Estado) de Amambay no Congresso do Paraguai, Acevedo morava em Pedro Juan Caballero, cidade vizinha de Ponta Porã (MS), a 323 km de Campo Grande.

A morte foi confirmada ao jornal ABC Color pelo vereador de Pedro Juan Caballero Agustin Torres e pela senadora Desirée Masi. Ele estava internado na capital Asunción desde o dia 15 deste mês, quando foi transferido devido à piora do quadro de saúde.

O diretor do hospital onde o deputado estava internado informou que Robert Acevedo sofreu duas paradas cardiorrespiratórias, uma na estrada quando era levado para a capital e outra nesta semana, que o deixou em situação ainda mais crítica.

Ex-governador de Amambay e presidente do Congresso paraguaio no período em que exerceu mandato de senador, Roberto Ramón Acevedo Quevedo tinha 55 anos e era filiado ao Partido Liberal Radical Autêntico. É o primeiro congressista a morrer em decorrência do coronavírus no Paraguai.

Atentado – Robert Acevedo era inimigo declarado da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) na fronteira entre o Paraguai e Mato Grosso do Sul. Em 2010, após seguidas críticas à omissão policial diante da escalada da facção na linha internacional, o político foi alvo de atentado a tiros em Pedro Juan Caballero.

Dois seguranças de Acevedo morreram. O então senador foi ferido com dois tiros. Imediatamente, Acevedo apontou o PCC como mandante do atentado e alertou que Pedro Juan Caballero poderia se tornar uma nova Juárez, cidade mexicana na fronteira com os Estados Unidos dominada pelos cartéis da droga. O temor se concretizou. Só no ano passado, mesmo com a pandemia, pelo menos 110 pessoas foram assassinadas só do lado paraguaio da fronteira.

Nos siga no Google Notícias