ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 19º

Interior

Dono de contratos milionários sob suspeita, 3º empresário alvo do Gaeco sumiu

Os empresários Roberto Valençuela e “Frescura”, além do servidor Tiago Basso, foram presos

Anahi Zurutuza e Bruna Marques | 21/07/2023 14:35
Ueverton Macedo, conhecido como “Frescura”, foi preso nesta manhã (Foto: Paulo Francis)
Ueverton Macedo, conhecido como “Frescura”, foi preso nesta manhã (Foto: Paulo Francis)

Dono de contratos milionários e suspeitos com a Prefeitura de Sidrolândia, o empresário Ricardo Rocamora, um dos alvos da segunda fase da Operação Tromper, nesta sexta-feira (21), está foragido. Nesta manhã, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizados) do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) foi às ruas de Sidrolândia para cumprir quatro mandados de prisão e cinco de busca e apreensão.

Foram presos preventivamente (por tempo indeterminado) os empresários Roberto Valençuela e Ueverton Macedo, conhecido como “Frescura”, além do servidor público do setor de compras e licitações da Prefeitura de Sidrolândia, Tiago Basso.

Eles são suspeitos de integrarem um esquema de sonegação fiscal, peculato, associação criminosa e fraudes em licitações na administração municipal que favoreceram as empresas Rocamora Serviços de Escritórios, 3M produtos, R&C Comércio Serviços e Manutenção Ltda., e Evertom Lucero.

As quatro empresas já receberam um total de R$ 13.727.781,70 da administração passa e da atual gestão de Sidrolândia, conforme divulgado no portal da transparência.

Policiais chegam ao presídio em Campo Grande com servidor e dois empresários que foram presos.
Policiais chegam ao presídio em Campo Grande com servidor e dois empresários que foram presos.

A pedido do MPC (Ministério Público de Contas), o TCE (Tribunal de Contas do Estado) também está fazendo varredura nos contratos. O procurador do MPC, João Antônio de Oliveira Martins, formalizou pedido de avaliação prévia, em 24 de maio, logo após a primeira fase da Tromper.

À época, o procurado demonstrou surpresa pela quantidade de serviço prestados pela Rocamora Serviços de Escritórios. “Pasmem, senhores, uma das empresas [Rocamora], aberta em 2019, com capital social de R$ 100 mil, tem amplíssimo rol de atividades”.

A empresa tem como atividade principal a venda de equipamentos de informática, mas, no ramo secundário, está listada em outras 86, comercializando doces, artigos de cama, mesa e banho e até oferecendo construção de edifícios e imunização de pragas.

Martins disse que a empresa fez atas para contratar empresas no serviço de lavagem de veículos, manutenção de ar-condicionado e que a Rocamora tem participado de procedimentos administrativos que podem alcançar R$ 1,7 milhão.

Empresa Rocamora estava fechada no fim desta manhã (Foto: Paulo Francis)
Empresa Rocamora estava fechada no fim desta manhã (Foto: Paulo Francis)

A operação - Nesta sexta-feira, casas dos investigados foram vasculhadas e a sede da Prefeitura também. Agentes fizeram apreensões de documentos em vários setores. Por causa das buscas, servidores que chegaram para trabalhar voltaram para casa, conforme apurou a reportagem.

As prisões foram feitas nas residências dos três suspeitos. Eles foram encaminhados para a Delegacia da Polícia Civil de Sidrolândia. Nesta tarde, foram transferidos para o Petran (Presídio de Trânsito), no Complexo Penal de Campo Grande.

A Rocamora e a 3M funcionam no mesmo endereço, no cruzamento das ruas Paraná e Nioaque, na região central da cidade. A reportagem foi ao local.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias