ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 30º

Interior

Falso médico é flagrado em plantão, paciente chama policia e homem acaba preso

Caso aconteceu por volta das 19h de ontem (23), na Fundação Hospitalar de Costa Rica

Por Viviane Oliveira | 24/05/2022 12:15
Fachada da Fundação Hospitalar de Costa Rica. (Foto: Reprodução / Facebook)
Fachada da Fundação Hospitalar de Costa Rica. (Foto: Reprodução / Facebook)

Homem identificado por Davi Souza Teixeira, 23 anos, que se passava por médico, foi preso por volta das 19h de ontem (23), na FHCR (Fundação Hospitalar de Costa Rica), em Costa Rica, distante 326 quilômetros de Campo Grande.

Conforme boletim de ocorrência, a Polícia Civil foi acionada pelos funcionários da Fundação Hospitalar informando que havia no estabelecimento um homem se passando por médico.

Ao chegar na unidade, a equipe foi recebida por Davi, aguardando para conversar com os policiais. Como Davi não tinha documentos que comprovassem estar apto para exercer a profissão, foi levado para a delegacia, ouvido e liberado. O caso foi registrado como exercício ilegal da profissão ou atividade.

Segundo o delegado Caique Ducatti, Davi disse que fez Medicina durante três anos no Paraguai e tentou transferir o curso para o Brasil, mas não conseguiu. “Ao ser questionado, ele não soube dizer o porquê mentiu ser médico na administração do hospital”, disse a autoridade policial.

Ainda conforme Ducatti, Davi não fez nenhum procedimento na instituição, apenas acompanhou os trabalhos dos profissionais da saúde. "Os funcionários do hospital desconfiaram, porque ele entrou em contradição algumas vezes e disse o número de um CRM que, ao ser consultado, foi constatado pertencer a outra pessoa”, explicou.

Segundo o CRM/MS (Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul), vai abrir sindicância para apurar se houve negligência por parte da instituição e se o falso profissional chegou a ser contratado. "O CRM/MS informa ainda que o exercício ilegal da medicina deve ser apurado pelas autoridades policiais.”

A reportagem procurou a direção da Fundação Hospitalar, mas até o fechamento do texto, ainda não havia respondido. Procurado, Davi disse que foi “um mal-entendido, já esclarecido” e, por enquanto, prefere não falar sobre o assunto.

Nos siga no Google Notícias