A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

27/03/2015 16:15

MPE quer ser comunicado de todas as mortes que envolvam policiais

Ricardo Campos Jr.
Promotores criminais se reuniram nesta sexta (Foto: Marcela Calazans)Promotores criminais se reuniram nesta sexta (Foto: Marcela Calazans)

O Ministério Público Estadual deverá recomendar à Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública) a inserção de um campo específico nos boletins de ocorrência para mortes ocorridas em ações da polícia. Trata-se de uma das metas para efetivar o controle externo à atividade das corporações, uma das prerrogativas do órgão desde a Constituição de 1988.

Nesta sexta-feira (27), promotores criminais se reuniram com membros de comissão do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) para debater o assunto. Uma cartilha com os principais objetivos foi distribuída.

O primeiro deles será visitar delegacias, quartéis e unidades de segurança pública no Estado. O objetivo é diagnosticar problemas estruturais e de recursos humanos para então propor políticas públicas para melhorar o atendimento à população, segundo Francisco Neves, o coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça do Controle Externo da Atividade Policial de Mato Grosso do Sul. “Queremos verificar a eficiência da polícia enquanto prestadora de serviços”, explica.

Outro objetivo é assegurar que o MPE seja comunicado em até vinte e quatro horas quando houver “emprego de força policial que resultar em ofensa à vida”. A ideia não é interferir nos trabalhos de apuração, mas garantir que não serão violadas provas que possam comprometer, posteriormente, o trabalho dos promotores, diz Alexandre Berzoza Saliba, conselheiro presidente da Comissão do Sistema Prisional, Controle Externo da Atividade Policial e Segurança Pública do CNMP.

Questionado a respeito de uma possível rejeição por parte dos policiais acerca da investida do Ministério Público, Saliba diz que não existe órgão público imune à fiscalização. “Esse argumento não se sustenta mais. Não existe ninguém acima da lei”, afirma. “O que precisa é estimular a habilidade de diálogo com a autoridade policial”.

Na visão dele, é mais “uma questão de mentalidade que jurídica”. O estado de São Paulo, afirma, já criou uma norma interna que obriga os delegados a informarem o MPE quando há alguma atividade da polícia que resulta em morte. Fica a critério dos promotores decidirem se acompanham ou não.

Saliba acredita que essa medida deva se estender a todos os demais estados. Uma cópia da portaria foi deixada em Campo Grande para que possa ser discutida com o estado.

De olho – Neste mês, o MPE criou o Gacep (Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial). Os promotores podem visitar, a qualquer tempo, as delegacias, os distritos policiais, casas de custódia provisória, unidades militares e respectivas carceragens.

O Ministério Público também poderá requisitar à autoridade competente a instauração de inquérito sobre a omissão ou fato ilícito ocorrido no exercício da atividade policial.

Questionamento - As iniciativas do Ministério Público causaram de surpresa e indignação na ACS/MS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros).

“Por que o Ministério Público não se reúne para discutir os policiais vítimas. É obrigado a ajudar, mas não está nem aí. E o policial que troca tiro com vagabundo e morre. O Ministério Público quer holofote. Por que não se reúne para discutir que a cada 32 horas um policial é morto no País. Fecha os olhos”, questiona o presidente da associação, Edmar Soares da Silva.

Segundo ele, é preciso fiscalizar e excesso na ação do policial deve ser punido, mas cobra empenho semelhante da instituição para que, por exemplo, se torne crime hediondo o assassinato de policial, bombeiro militar, integrante das Forças Armadas, do sistema prisional e da Força de Segurança Nacional.

O projeto do “MP no enfrentamento à morte decorrente de intervenção policial” quer que toda ação estatal que resulte em óbito tenha específica investigação policial. O projeto inclui a criação de um banco de dados pelo CNMP sobre esses óbitos.

Banco de dados será criado para cobrar apuração de mortes em ação policial
Mortes decorrentes de intervenção policial serão tema de reunião no MPE (Ministério Público do Estado) na próxima sexta-feira, dia 27, em Campo Grand...
MPE quer criar grupo especial para fiscalizar ações da PM e Polícia Civil
O MPE (Ministério Público Estadual) irá acompanhar mais de perto a atividade policial por meio da criação do Gacep (Grupo de Atuação Especial de Cont...
Mega-Sena acumula e prêmio no sábado pode chegar a R$ 39 milhões
A Mega-Sena mais uma vez ficou sem vencer na noite desta quarta-feira (13) e, assim, acumulou. O prêmio pode subir para R$ 39 milhões no sorteio do p...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions