ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 25º

Cidades

Três sequestradores de bebê em bairro da Capital continuam foragidos

Graziela Rezende | 25/11/2013 10:25
Família tenta retomar a normalidade após sequestro: pai armou para pagar dívidas com drogas (Foto: Marcos Ermínio)
Família tenta retomar a normalidade após sequestro: pai armou para pagar dívidas com drogas (Foto: Marcos Ermínio)

A Polícia ainda não possui pistas do marido da manicure Renata Silva de Jesus, 33 anos, suspeito de participar do sequestro de um bebê recém-nascido no Bairro Dom Antônio Barbosa, em Campo Grande. Ela, Carlos dos Santos, 25 anos, vulgo “Dedinho”, o pai da menina Robison dos Santos Rossimaister, 22 anos, e bolivianos orquestraram a ação no dia 16 de novembro deste ano.

“A neném está ótima e a mãe dele também, que passa por tratamento com um psicólogo. O Conselho Tutelar também está realizando visitas periódicas, porém só ficaremos realmente aliviados quando os outros envolvidos estiverem presos”, afirma a avó da criança, a diarista Meire da Silva Batista, 33 anos.

A avó comenta ainda que a rotina da família “voltou ao normal” e que eles não pensam mais em mudanças. “Estamos bem, recebendo carinho dos parentes e amigos e também não tivemos ameaças. Agora, só estamos acompanhando para saber se os outros culpados serão punidos pelo seqüestro”, comenta D. Meire.

Além do delegado Paulo Sérgio Laureto e investigadores da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e o Adolescente), a Polícia Federal tomou conhecimento do caso. Com os depoimentos e buscas, a investigação apontou para o “tráfico internacional de drogas em troca de criança.

Sequestro – A menina de nome Nicole foi sequestrada 10 horas após a mãe ter alta médica. No dia 13 de novembro, o bebê nasceu. No outro dia, testemunhas constataram a presença de um “veículo estranho” rondando a rua 10, onde reside a adolescente.

No sábado, às 11h, ela foi liberada e, conforme a Polícia, ainda não havia registrado a menina porque precisava ir ao Juizado da Infância e Juventude.

Nos siga no Google Notícias