ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 21º

De olho na TV

Rede antissocial não separa joio do trigo

Por Reinaldo Rosa | 13/09/2019 08:57

VEM QUE TEM – Radialista de Campo Grande informa que “toca, sim, músicas de Carlos Colman” em seus programas. Considera que, em alguns casos, não procedem a reclamações de atrações regionais que rogam por mais espaço – e apoio - nas emissoras de Mato Grosso do Sul.

A CASA É SUA – Profissional do dial da Cidade Morena sugere maior elaboração por parte dos intérpretes locais na divulgação de seus novos trabalhos. Realça que o recente CD lançado pelo cantor foi adquirido a soldo do próprio radialista.

FAÇA O QUE EU DIGO – Estranha forma de ação: estúdios e staff à disposição FM UFMS repercute – em grande parte - noticiário da EBN. Há quem justifique o elo entre informação oficial com estabelecimento federal de ensino. Haveria uma obrigação na prática?

NÃO FAÇA O QUE EU FAÇO – Universitários do curso de Comunicação têm participação prática exígua nos poucos informativos criados pela emissora local. Simples assim.

MEXEU COM ELE MEXEU COMIGO - A personagem Cássia, de ‘A Dona do Pedaço’, tem bombado nas redes sociais de uma forma negativa. Ela condena o pai ter-se revelado gay. A menina sugere que ele volte a “ser homem”. Rede antissocial não separa joio do trigo. Simples assim.

AQUI NÃO - Locutor da rádio Panorama, de Itapejara D’oeste (PR), causou nas redes sociais, após posicionamento polêmico sobre a cantora Pabllo Vittar. Identificado como Emerson Antunes, relata que parou de tocar as músicas da dragqueen, após descobrir “quem era ela” e como a artista se apresentava.

SE A MODA PEGA – “Pablo Vittar não vai rolar, não hein. Vamos fazer o seguinte, troca aí por uma música boa, por um cantor bom, né?”, sugere ao ouvinte. “Nada contra o Pablo, em hipótese nenhuma, mas sim contra as músicas que ele canta. Não vai rolar essa eu vou passar”, finalizou Emerson. Com Sureña Dias, no Uol.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário