A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

16/06/2019 11:15

De olho na geração de empregos, MS quer atrair mais fábricas de calçados

Estado hoje hospeda cinco indústrias do segmento, a maioria delas instaladas na região do Bolsão

Jones Mário e Fernanda Palheta
Cláudia Souza administra loja de confecções em Bodoquena. (Foto: Fernanda Palheta)Cláudia Souza administra loja de confecções em Bodoquena. (Foto: Fernanda Palheta)

O governo do Estado quer seduzir novos interessados na instalação de indústrias de calçados em Mato Grosso do Sul. Para o titular da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Jaime Verruck, as fábricas do setor demandam pouco investimento, mas promovem alta geração de empregos.

“O Estado continua fazendo atração de indústrias para cá e as empresas de calçados são fundamentais. O investimento para abrir é positivo quando você coloca em balanço com a geração de empregos, que é alta, porque precisa de mão de obra”, disse hoje, durante abertura da 9ª Feicc-MS (Feira de Calçados, Couros e Acessórios de Mato Grosso do Sul), no Centro de Convenções e Exposições Albano Franco, em Campo Grande.

Hoje, Mato Grosso do Sul hospeda cinco indústrias do segmento, a maioria delas instaladas na região do Bolsão devido à proximidade com São Paulo, principal mercado comprador. Três Lagoas comporta unidades da Klin e da World Color, enquanto Paranaíba tem as plantas da Pé Com Pé e da Pampili. Já no Sul do Estado, Dourados conta com a fábrica da Smith Brothers.

Os incentivos fiscais formam o principal atrativo do Estado para trazer investidores. Conforme Verruck, a Pé Com Pé foi contemplada com o benefício na semana passada.

Segundo o Sindical/MS (Sindicato das Indústrias de Calçados de Mato Grosso do Sul), o setor emprega aproximadamente mil pessoas. De acordo com o presidente da entidade, João Batista de Camargo Filho, a Feicc é realizada há quatro anos e meio e oferece oportunidade de atrair mais empreendimentos. “No decorrer desses anos, algumas indústrias já vieram”.

A feira concentra 62 fábricas e 170 marcas, oportunidade para lojistas como Cláudia Souza, que administra loja de confecções em Bodoquena há 15 anos e frequenta o evento pela terceira vez. “Aqui consigo ver, comparar as coleções e têm boas vantagens de preço e condições de prazo”.

A Feicc segue até terça-feira e prevê movimentar cerca de R$ 15,5 milhões. Os portões são abertos sempre às 8h e fechados às 19h. A entrada é gratuita.

João Batista de Camargo Filho, do Sindical/MS, e Jaime Verruck, titular da Semagro, durante abertura da Feicc-MS (Foto: Marina Pacheco)João Batista de Camargo Filho, do Sindical/MS, e Jaime Verruck, titular da Semagro, durante abertura da Feicc-MS (Foto: Marina Pacheco)
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions