ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 23º

Economia

Eldorado Celulose irá recorrer de decisão sobre posse da empresa

Decisão da Justiça de SP rejeitou pedido de anulação de arbitragem e concedeu posse à Paper Excellence

Silvia Frias | 01/08/2022 14:28
Empresa instalada em Três Lagoas é alvo de disputa judicial. (Foto/Divulgação)
Empresa instalada em Três Lagoas é alvo de disputa judicial. (Foto/Divulgação)

Comunicado emitido aos investidores da Eldorado Brasil Celulose informa que a empresa irá recorrer da decisão judicial do dia 29 de julho, que negou o pedido de anulação de sentença arbitral que, na prática, permite que a Paper Excellente assuma o controle da fábrica de celulose, em Três Lagoas, a 327 quilômetros.

O comunicado foi divulgado hoje (1º), assinado pelo diretor de relações de investidores da Eldorado, Fernando Storchi. O fato relevante é relatado para informar qualquer informação importante divulgada pela empresa.

“A Eldorado afirma que continuará buscando um processo arbitral justo, bem como que irá interpor os recursos cabíveis no prazo legal”, informou o diretor, acrescentando que manterá o mercado informado “sobre quaisquer outros desdobramentos relevantes relativos a esse tema”. A empresa indonésia já detinha 49,41% das ações e, agora, a determinação da juíza Renta Maciel obriga a J&F a transferir para a Paper 100% do capital da Eldorado.

Na sexta (29), a juíza Renata Maciel, da 2ª Vara Empresarial e Conflitos de Arbitragem do Tribunal de Justiça de São Paulo, negou pedido da J&F para anular a arbitragem que opõe a empresa à Paper Excellence no caso da compra da Eldorado Brasil Celulose.

Em nota divulgada no fim de semana, o grupo J&F informou que se surpreendeu com a publicação da sentença, uma vez que a ação estaria "suspensa por decisão do Tribunal de Justiça". "Se não fosse nula, a sentença seria revertida em instância superior, uma vez que ignora provas produzidas nos próprios autos", disse.

"Além do malabarismo para desviar das provas, a sentença premia os advogados da parte adversária com R$ 600 milhões em honorários de sucumbência, valor superior até ao que eles mesmos requereram. A J&F está confiante de que a Justiça brasileira não vai compactuar com tamanhas violações ao Direito", acrescentou.

O diretor-presidente da Paper no Brasil, Cláudio Cotrim, disse que o "foco agora será integrar e operar a nova unidade brasileira da Paper Excellence". "Posteriormente, avaliaremos o momento adequado para a expansão da planta."

Nos siga no Google Notícias