A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

21/04/2019 12:11

MS tem quatro cidades com mais aposentados que trabalhadores formais

Os municípios sul-mato-grossenses contribuem para a estatística no Brasil, onde uma em cada três cidades tem mais aposentados do INSS que trabalhadores com carteira assinada

Anahi Zurutuza
Mãos cansadas: idoso segura a bengala (Foto: TJMS/Divulgação)Mãos cansadas: idoso segura a bengala (Foto: TJMS/Divulgação)

Deodápolis, Glória de Dourados, Sete Quedas e Vicentina são as quatro cidades de Mato Grosso do Sul onde vivem mais pessoas aposentadas do que trabalhadores formais. O levantamento feito pela CNC (Confederação Nacional do Comércio) a pedido do jornal O Globo foi divulgado neste domingo (21).

Os municípios sul-mato-grossenses contribuem para a estatística no Brasil, onde uma em cada três cidades tem mais aposentados do INSS que trabalhadores com carteira assinada, que contribuem para o Regime Geral da Previdência Social.

Ainda conforme a reportagem do jornal carioca, para especialistas, os números reforçam a necessidade da reforma da Previdência, que acaba com as aposentadorias precoces, deixando os trabalhadores mais tempo em atividade. Os entrevistados afirmam que são justamente as aposentadorias precoces que aprofundam o desequilíbrio entre o contingente de pessoas contribuindo para o sistema e o total de beneficiários.

O Globo traz análise que apontam para a falta de dinamismo econômico em cidades onde há mais aposentados que trabalhadores em atividade. Carlos Eugenio de Carvalho Ferreira, chefe da Divisão de Projeções Populacionais da Fundação Seade, afirma que a combinação de êxodo de jovens em busca de oportunidades, retorno de aposentados que procuram segurança e qualidade de vida, alta informalidade da economia e criação de “cidades-dormitórios” pode ser uma tendência futura.

Neste locais, jovens têm mais dificuldade de encontrar trabalho, porque dependem justamente da renda dos aposentados e tais cidades acabam por oferecer poucas vagas formais. A recuperação econômica desses municípios é mais lenta, conforme os entrevistados.

“Os municípios de aposentados dependem do emprego público. Alguns não têm sequer estrutura econômica para terem se emancipado. É preciso desenvolver a indústria e os serviços nessas cidades. Ou ficam dependentes da descoberta de uma mina de ouro, de um campo de petróleo”, explicou Clemente Ganz Lúcio, sociólogo e diretor-técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) ao O Globo.

Previdência municipal reajusta benefícios de aposentados e pensionistas
O IMPCG (Instituto Municipal de Previdência de Campo Grande) publicou, no Diário Oficial do município desta quarta-feira (30), o reajuste de aposenta...
Teto de benefícios do INSS a aposentados e pensionista passa a R$ 5.839,45
Os segurados da Previdência que recebem acima do salário mínimo terão seus benefícios reajustados em 3,43%, conforme o Índice Nacional de Preços ao C...


É muito mau caratismo uma pesquisa e explicações desse tipo.
O culpa pela tão falada crise do INSS (que não se sabe se é verdadeira) é a alta informalidade e o alto grau de dívidas das empresas com o INSS que o governo é incapaz de cobrar.
É semvergonhice jogar a culpa pra cima da população.
 
Critico em 21/04/2019 19:20:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions