ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  12    CAMPO GRANDE 19º

Economia

Por ajudar na ressocialização de presos, 13 empresas de MS são certificadas

Das instituições, sete são de Campo Grande, duas de Três Lagoas, uma de Amambai e ainda, a Prefeitura de Paranaíba

Por Lucia Morel | 12/07/2020 13:51
Prefeitura de Paranaíba também recebeu "Selo Resgata". (Foto: Reprodução)
Prefeitura de Paranaíba também recebeu "Selo Resgata". (Foto: Reprodução)

Em Mato Grosso do Sul, 13 empresas foram certificadas pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública por contratarem presos e egressos do sistema penitenciário. Em todo Brasil, cerca de 16,7 mil detentos e ex-detentos conseguiram oportunidade de emprego em 372 instituições, todas certificadas.

Conforme dados do ministério, os certificados são resultado do III Ciclo do Selo Resgata e é referente ao período de 2019/2020. Ao todo, 432 instituições se inscreveram neste ciclo do prêmio, que é o terceiro desde 2017.

Entre as 13 empresas do Estado que receberam o cerificado, sete são de Campo Grande, duas de Três Lagoas, uma de Amambai e ainda, a Prefeitura de Paranaíba.

As da Capital são: Suprema Comércio de Erva Mate; Log Engenharia; Sdb Comércio de Alimentos (Fort Atacadista); Nereu Alves Rios; May Arakaki Vegini; Induspan Indústria e Comércio de Couros Pantanal e por fim, o Conselho da Comunidade de Campo Grande, empresa que há 20 anos atua na ressocialização de presos e egressos.

Em três Lagoas, as duas são: Metalfrio Solutions e Escala Blocos. Na cidade de Amambai, a empresa contemplada foi a Embrasil Indústria e Comércio de Embalagens Plásticas.

A Associação de Recicladores de Lixo Eletroeletrônicos de Mato Grosso do Sul (Recic.le) e Top Quality Alimentação Eireli também foram certificadas.

Segundo o Depen (Departamento Penitenciário Nacional), para receber o Selo Resgata, as instituições tiveram que cumprir requisitos como: comprovar, em diferentes percentuais, a contratação de pessoas em privação de liberdade, internados, cumpridores de penas alternativas ou egressos do sistema prisional; desenvolver iniciativas que contribuam para modificar a realidade socioeconômica das pessoas em privação de liberdade e egressos e proporcionar ambiente de trabalho salubre e compatível com as condições físicas do preso trabalhador.