ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 24º

Economia

Segundo dia com ICMS menor tem litro da gasolina a R$ 5,87

Previsão é de queda de R$ 0,60 no preço da gasolina, mas por enquanto valor caiu entre R$ 0,08 e R$ 0,12

Caroline Maldonado e Cleber Gellio | 08/07/2022 10:21
Placas no posto Park Avenida, na Avenida Três Barras, no bairro Rita Vieira, onde litro da gasolina passou de R$ 5,99 para R$ 5,87. (Foto: Marcos Maluf)
Placas no posto Park Avenida, na Avenida Três Barras, no bairro Rita Vieira, onde litro da gasolina passou de R$ 5,99 para R$ 5,87. (Foto: Marcos Maluf)

A previsão é de queda de R$ 0,60 no preço do litro da gasolina após a redução na alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis, decretada na quarta-feira (6), mas hoje (8) a maioria dos postos mantém os preços, enquanto alguns já reduziram entre R$ 0,08 e R$ 0,12.

A redução é resultado de uma conta para equilibrar o preço cobrado pelo combustível que os postos já tinham no estoque e o que compraram entre ontem e hoje.

No posto Park Avenida, na Avenida Três Barras, no bairro Rita Vieira, o litro da gasolina passou de R$ 5,99 para R$ 5,87. O litro do etanol sai por R$ 4,49 e do diesel S-500 por R$ 6,99.

O posto Posteko, na Avenida Júlio Castilho, na Vila Santo Amaro, mudou o preço da gasolina de  R$ 5,98 para R$ 5,90. A funcionária Geusa Ranger explica que o valor é para repassar ao consumidor a redução no preço pago à distribuidora pelo combustível comprado por menor valor em função da redução do imposto.

“Fiz uma média dos dois preços que paguei nas duas últimas compras: o preço antigo do estoque e o que paguei ontem na nova remessa. Juntei os dois valores e fiz média porque paguei mais barato do que comprei ontem, mas ainda tenho estoque com preço mais alto”, detalhou Geusa.

O posto Pérola, na avenida Gury Marques, na Vila Cidade Morena, região Sul da Capital, informa que também já aplicou redução conforme o que foi cobrado pela distribuidora. O litro da gasolina caiu R$ 0,10 e passou de R$ 6,09 para R$ 5,99. O etanol também sai por R$ 0,10 a menos, tendo passado de R$ 4,69 para R$ 4,59. O litro do diesel s10 continua a R$ 7,49, em função do estoque.

Na região Norte da cidade, na Avenida  Mascarenhas de Moraes, no bairro Monte Castelo, o posto Castelo Locatelli vende o litro da gasolina a R$ 5,97, etanol a R$ 4,54 e diesel s10 a R$ 7,05. Os preços são os mesmos, mas a previsão do posto é baixar com a chegada de combustíveis de novas compras, durante a tarde.

Completando o tanque nesta manhã, o aposentado Antônio Gomes Bezerra, de 74 anos, não fica muito entusiasmado com a redução de preços.

“Tenho acompanhado os preços e o noticiário sobre as medidas que estão sendo adotadas em relação ao combustível. É bom e deveria cair mais ainda, mas isso é reflexo do pacote de bondade do Governo Federal. É só nesse período de eleição. Assim que passar as eleições, o preço vai bater R$ 10”, prevê Antônio.

Aposentado Antônio Gomes Bezerra, de 74 anos, em posto de combustíveis da Capital. (Foto: Marcos Maluf)
Aposentado Antônio Gomes Bezerra, de 74 anos, em posto de combustíveis da Capital. (Foto: Marcos Maluf)

Abastecendo todos os dias para dar conta da rotina corrida, o músico Jhonny Domingos, de 51 anos, também não é muito otimista com as medidas de redução de impostos.

“Rodo muito porque levo familiares para fazer tratamento de saúde e faço eventos fora da cidade. Costumo abastecer picado, cerca de R$ 50 todo dia. Com esse período eleitoral começaram medidas para reduzir, mas os R$ 5,90 que estou pagando não tem nada de barato. O ideal seria que ficasse no patamar de antes, de R$ 4,50, mas duvido muito que chegue a isso”, comenta Jhonny.

Músico Jhonny Domingos, de 51 anos, em posto de combustíveis de Campo Grande (Foto: Marcos Maluf)
Músico Jhonny Domingos, de 51 anos, em posto de combustíveis de Campo Grande (Foto: Marcos Maluf)

Comparação - Ontem (7), o Governo Federal obrigou os postos a divulgarem o preço que cobravam no dia 22 de junho para que os consumidores possam fazer comparação. Conforme o decreto, a divulgação tem que ser de forma “correta, clara, precisa, ostensiva e legível de modo que os consumidores possam compará-los [preço anterior] com os preços praticados no momento da compra”.

Os postos de todo o país terão que fazer isso até 31 de dezembro deste ano. Ontem o Sinpetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes de Mato Grosso do Sul) informou que a equipe jurídica estava analisando o decreto para orientar os postos e não vê problemas em fazer a divulgação de preços, bem como já fazem com relação aos impostos cobrados.

Na manhã de hoje (8), a reportagem não encontrou informativos que atendam ao decreto nos postos visitados e recebeu informação de que as gerências aguardam orientações do Sinpetro para fazer a divulgação de forma correta e padronizada.

Posto de combustíveis abastece estoque na mahã de hoje (Foto: Marcos Maluf)
Posto de combustíveis abastece estoque na mahã de hoje (Foto: Marcos Maluf)

ICMS - Antes da redução, decretada no fim da tarde de quarta-feira (6), a alíquota do ICMS sobre a gasolina era de 30% e sobre o etanol era de 20%. A medida foi tomada por força de lei complementar federal em vigor desde o mês passado.

O Sinpetro prevê também queda de R$ 0,13 no preço do litro do etanol. A diferença total será percebida pelo consumidor somente a partir da semana que vem, na previsão do sindicato.

A lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) define que combustíveis, assim como energia, transporte coletivo, gás natural e comunicações são bens essenciais e indispensáveis e por isso os governos estaduais não podem cobrar acima de 17% de ICMS. A redução deve fazer o Estado perder R$ 800 milhões por ano em arrecadação.

Nos siga no Google Notícias