ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUARTA  15    CAMPO GRANDE 20º

Educação e Tecnologia

Ainda sem data, aulas voltarão de forma gradativa, mas nunca serão como antes

Secretaria de Educação prepara cartilha com orientações sobre rotina escolar para o período pós-pandemia

Por Lucia Morel | 01/06/2020 14:11
Um dos objetivos dos novos protocolos, é evitar as aglomerações, como na foto acima, tirada no começo do ano letivo. (Foto: Divulgação SED)
Um dos objetivos dos novos protocolos, é evitar as aglomerações, como na foto acima, tirada no começo do ano letivo. (Foto: Divulgação SED)

“As escolas não voltam da mesma maneira que pararam. A volta vai ser cheia de regras e novos procedimentos e temos que ser muito cuidadosos nisso. Há regras que talvez nunca mais deixem de existir”.

Com essa constatação, o superintendente de políticas educacionais da SED (Secretaria de Estado de Educação), Hélio Daher, fala sobre o futuro das aulas presenciais na rede pública, ainda sem data, mas já com a certeza de que será diferente.

As alterações não são apenas na questão de higiene, tão repercutida nesse momento de pandemia do novo coronavírus, mas também na forma de ensino e nas áreas social e afetiva dentro das comunidades escolares.

Para orientar diretores, professores, alunos e mesmo os pais dos alunos, a SED prepara uma cartilha com orientações em relação ao retorno das aulas presenciais, ainda que não seja aventada nenhuma data para tal.

Segundo Daher, no entanto, tudo indica que quando esse retorno ocorrer, ele será gradativo, definido por regiões e/ou cidades mais e menos atingidas pelo novo coronavírus, bem como, por etapa escolar, com as séries iniciais voltando antes, como ocorre em outros países que já passaram pela pandemia.

“Não entendo que o retorno vai ser de uma hora pra outra ou que todas as escolas, de todo Estado, voltem todas juntas. Vai ser gradativo. Dependendo da região, as aulas podem votar antes ou depois. Vai ser difícil voltarem todas ao mesmo tempo em todo Estado”, afirma.

O retorno depende da redução de casos da doença. Autoridades em saúde avaliam que o pico no Estado seja mês que vem, com queda gradativa a partir de então. Por isso, não é possível precisar uma data.

Além disso, o superintendente diz que o que o Estado adotar, certamente será também seguido pelas escolas municipais, já que até o momento, governo e cidades têm trabalhado em consonância.

Ele inclusive citou, que as medidas adotadas em Mato Grosso do Sul e previstas na cartilha, serão as mesmas adotadas na rede pública de ensino em todo Brasil, uma vez que os protocolos previstos estão sendo discutidos junto ao Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação), que pretende as mesmas ações para todo País.

Cartilha de orientações – A cartilha traça os protocolos a serem seguidos pelas comunidades escolares nas três áreas citadas: higiene e biossegurança, pedagógica e sócio-emocional. Sob avaliação da SES (Secretaria de Estado de Saúde), a cartilha deve ser finalizada ainda nos primeiros 15 dias de junho.

Na área de biossegurança, que é certamente o ponto mais nevrálgico quando se pensa em retorno às atividades presenciais, já que quanto mais aglomeração, mais pessoas infectadas com a covid-19 se têm, Daher explica que são inúmeras as medidas a serem adotadas.

Ponto já estabelecido, é que haverá uso constante e acesso dos estudantes e funcionários das escolas à álcool em gel, mas ainda está sendo definido, pela SES, se o ideal seria distribuir kits aos alunos e comunidade, ou se espaços com dispenser do produto seria o mais adequado, ou mesmo, higienização assim que entrarem na escola.

Prática de esportes coletivos devem ficar proibidas num primeiro momento, quando as aulas presenciais voltarem. (Foto: Divulgação Governo de MS)
Prática de esportes coletivos devem ficar proibidas num primeiro momento, quando as aulas presenciais voltarem. (Foto: Divulgação Governo de MS)

Segundo Daher, outra questão a ser posta em prática é como evitar aglomerações, e assim, a ideia é que os horários de entrada, saída e recreio sejam diferentes para as turmas, evitando ajuntamentos, bem como, facilitar o acesso à merenda escolar sem que haja aglomeração.

Também está previsto rotina de higienização de banheiros e bebedouros, aumentando de três vezes ao dia, para pelo menos seis. E ainda agendamento para atendimento aos pais, que até então, podiam chegar nas escolas e já serem atendidos. Muitas vezes mais de um aguardava para conversar e com o retorno, será necessário ligar antes para evitar aglomerações.

Com relação às práticas de esporte, Daher afirma que “será um pouco mais complicado liberar”, sobretudo, as que são realizadas de forma coletiva. “Vamos incentivar as atividades esportivas individuais”.

Uma das principais dificuldades será implantar o distanciamento nas salas de aula, que devem ter pelo menos 1,5 metro entre uma carteira e outra. Lotadas, as salas dificilmente têm menos de 20 alunos.

Investimento – Não há ainda detalhamento de quanto será necessário investir para equipar as escolas à nova realidade pós-pandemia. “Haverá mais investimento na higiene, mas ainda estamos estudando e calculando. Certamente, no dia a dia nas escolas é que  poderemos ver quanto de fato, será necessário”, disse o superintendente.

O Campo Grande News ainda vai detalhar em outras matérias as medidas pedagógicas e sócio-emocionais previstas pela SED.