A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

21/07/2016 17:20

Para atrair atletas e divulgar esporte, time realiza jogo aberto de Roller Derby

Amanda Bogo
Jammer tenta ultrapassar bloqueio durante partida (Foto: Reprodução / Facebook)Jammer tenta ultrapassar bloqueio durante partida (Foto: Reprodução / Facebook)

Roller Derby é um esporte praticado em sua maioria por mulheres, e surgiu no Texas em 1930, chegando ao Brasil apenas nos anos 2000 e não tendo sido muito difundido no país. Cada time conta com cinco jogadoras que patinam em uma pista oval. Uma delas é denominada Jammer (atacante), que usa uma estrela no capacete, e as demais são as blockers (bloqueadoras).

O objetivo é simples: a Jammer precisa ultrapassar o bloqueio do time adversário, somando ponto a cada adversária que ultrapassa, usando contato físico e estratégia. As jogadoras devem permanecer dentro da pista, e caso sejam retiradas dela, devem voltar por fora, sempre atrás de quem retirou a atleta de lá. 

A partida, denominada Bout, é dividida em dois tempos de 30 minutos, e acontece no sentido anti-horário.

O esporte é diferente de todas as modalidades com praticantes assíduos no país, com um detalhe que chama a atenção: não possui bola, disco, nem um objeto que precisa ser arremessado de alguma maneira. A proposta do jogo é ultrapassar as adversárias.

Para difundir o Roller Derby e buscar novas adeptas para o esporte, o Meatmachine, única equipe de Mato Grosso do Sul, realiza no sábado (23) um jogo aberto demonstrativo na quadra Q1 Esportes, localizada na Rua Maranhão, 372. A proposta é atrair mais meninas para compor o time, que hoje conta com 15 atletas.

Jogadoras durante partida (Foto: Reprodução/Facebook)Jogadoras durante partida (Foto: Reprodução/Facebook)

A professora Jaqueline Mesnerovicg, 29, é a fundadora da liga de Roller Derby de Mato Grosso do Sul, que possui apenas o Meatmachine como time. Para ela, existe um pouco de preconceito em relação ao esporte.“As pessoas não conhecem e tem certo receio, porque acreditam que é um esporte muito violento, além de ter uma certa dificuldade na hora de entender o objetivo dele e como os pontos são marcados”, disse.

Jaqueline explicou que todos os meses acontece um jogo entre as meninas do time, mas desta vez decidiram abrir o confronto para o público, e acredita que cerca de 100 pessoas devam comparecer ao evento. 

Para Jaqueline, o Roller Derby é um esporte democrático que não exige que a atleta tenha um biotipo físico, e por isso não exclui as pessoas que tenham interesse em participar. “No vôlei você precisa ser alta, assim como outras modalidades pedem alguns pré-requisitos. A vantagem do Derby, e que os outros esportes não tem, é que não existe biotipo específico. Independente do condicionamento físico a pessoa pode jogar e é bem vinda”.

Os treinos da equipe acontecem aos domingos, das 09 horas às 11 horas na quadra onde acontecerá o jogo aberto. “A maior dificuldade é a patinação, porque o esporte exige e as pessoas muitas vezes não sabem patinar. Aprender exige dedicação, e nosso treinamento é 70% voltado para ensinar a pessoa as técnicas de patinação, postura, tipo de passada e freios”, finalizou.

Inscrições para os Jogos de Areia terminam nesta sexta-feira
Terminam na sexta-feira (22) as inscrições para os Jogos de Areia 2016, com disputas nas modalidades de beach soccer, beach tênis, futvôlei e vôlei d...
Definidos os critérios para participar da Copa São Paulo de Futebol Júnior
A resolução que define os critérios para a disputa da Copa São Paulo, maior competição de futebol júnior do país, foi enviada pelo presidente da FPF ...
Lutadores do Estado viajam para participar de treinamento em São Paulo
Lutadores de Luta Olímpica (Wrestling) do Estado foram convocados e viajam nesta semana para participar entre os dias 24 a 30 deste mês de um campo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions