A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


11/01/2013 06:00

Silêncio

O secretário Gustavo Freire, que acompanha duas pastas importantes na administração de Alcides Bernal em Campo Grande, a de Finanças e a de Governo, decidiu adotar a tática do silêncio completo sobre a acusação de fazer parte de um esquema de recebimento de propina para liberar cargas na Receita Federal. Foi procurado ontem na secretaria, mas a informação era que não estava ao local. Foi procurado também via assessoria de imprensa, mas também não houve retorno.

Mão no fogo
Foi o próprio prefeito Alcides Bernal quem fez a defesa do escolhido para comandar a destinação de recursos da Prefeitura e ainda as articulações políticas. Em nenhum momento, houve um desmentido em relação às acusações que estão em processo administrativo da Receita Federal em denúncia do MPF de mais de 50 páginas.

Cargo vago
Bernal esteve ontem no MPF (Ministério Público Federal) para discutir a situação do aterro sanitário em Campo Grande. Em se tratando de um assunto que envolve a área judiciária, chamou a atenção o fato de o prefeito estar desacompanhado de alguém da Procuradoria Jurídica. Em tempo: a Prefeitura não tem procurador-jurídico nomeado ainda.

Disponível
O vereador Waldecy Batista Nunes, o Chocolate, uma das pessoas mais próximas do prefeito Alcides Bernal, tem mostrado toda sua disponibilidade com o chefe do Executivo. Ontem (10) à tarde, durante agenda pública de Bernal, ele dirigia seu veículo, um JAC J3, que levava, além do prefeito, a assessora Márcia Scherer.

Os caras
Tanto Chocolate como o vereador Derly dos Reis de Oliveira, o Cazuza, ambos do PP, são presenças constantes nas agendas do prefeito. Eles acompanham Bernal na maioria das agendas públicas e aparecem muito mais que os secretários.

Queridinho?
O prefeito de Costa Rica, Waldeli Rosa, teria a preferência do governador André Puccinelli na eleição à presidência da Assomasul, que ocorre no próximo dia 22.

Cenário
Outros três nomes são cotados para a disputa do comando de uma das entidades com maior representação política no Estado. Os prefeitos de Dourados, Murilo Zauith (PSB); de Nova Andradina, Roberto Hashioka (PMDB); e de Anastácio, Douglas Figueiredo (PSDB).

Cotação antiga
O nome do prefeito de Anastácio é ventilado desde o ano passado. Na prática, ele e Waldeli são os candidatos mais fortes. A dupla, agora, sai à caça de apoios entre os prefeitos. Quem se viabilizar mais até o dia 21, véspera da eleição, deve encabeçar a chapa de consenso, pregada pela entidade.

Desconversando
Embora admita que os apoios no processo são importantes, Waldeli minimizou. “Quero ser presidente para defender os prefeitos e ser independente do governador ou de parlamentares. Tenho uma vida política independente”, filosofou.

Histórico
Com discurso de candidato, o prefeito de Costa Rica lembrou que já ocupou a presidência da Assomasul por três meses entre 2004 e 2005.

Após "perder" cargo, deputado muda o tom
Mudou – Antes cotado para assumir uma secretaria do governo do Estado, o deputado Coronel David (PSC) está agindo ultimamente como oposição ao Govern...
Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions