A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


22/12/2015 06:00

'Força-tarefa' contra a dengue mostra-se pouco eficaz

Waldemar Gonçalves

Tarefa com força? – Ações contra a dengue em Campo Grande têm se mostrado mais midiáticas do que efetivas. O mutirão da Prefeitura, por exemplo, contou com alguns agentes e um delegado de polícia, enquanto o Exército passou recolhendo pneus velhos e as tendas de hospital de campanha, instaladas em algumas unidades de saúde, estão inoperantes.

Sem noção – Enquanto isso, o serviço de limpeza de ruas em Campo Grande foi 80% limado. A Solurb, com contrato para atender praticamente toda a cidade, está restrita à região central, por ordem da Prefeitura, que deve R$ 15 milhões em atrasados somente por varrição, capina e limpeza de boca de lobo já feitas.

Com custo – Vale lembrar que, até onde consta, o corte no contrato não acarretará necessariamente em economia aos cofres municipais. Se, por um lado, a Prefeitura terá de assumir o serviço, por outro seria obrigada a reequilibrar o acordo com a concessionária do setor.

Folguinha – Promotores públicos, que indicaram preocupação ao chamar órgãos públicos para discutir políticas de combate ao Aedes aegypti na Capital e Estado, não abriram mão de seus recessos de fim de ano. Como se a dengue fosse dar uma folguinha...

Pior por vir – Quem acha que 2015 foi um ano complicado, deve se preparar: 2016 tende a ser muito mais difícil. A análise foi feita pelo ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy, quando, ainda no cargo, reuniu-se com secretários estaduais de Fazenda, na semana passada, conforme conta o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja.

Melhor por vir – O secretário estadual de Segurança Pública, Sílvio Maluf, ao participar da entrega de veículos para a PM e Corpo de Bombeiros, disse que fica muito emocionado nessa época do ano. Neste momento, é preciso agradecer mais do que pedir, já que segurança publica está melhorando, falou, desejando um ano novo mais leve e próspero.

Em exercício – O troca-troca de prefeitos em Campo Grande já não é novidade. Mas, em discurso recente, o atual ocupante do cargo, Alcides Bernal (PP), referiu-se a si próprio como “o prefeito em exercício” da Capital, dando margem para suscitarem que ele não acredita chegar ao fim do próximo ano comandando a cidade.

É show – A mudança de comando parece ter feito bem à Acrissul, a notar pela próxima Expogrande. Após anos mais modestos e até problemáticos no quesito shows, a próxima edição da feira já tem anunciadas grandes atrações, como o fenômeno do forró Wesley Safadão e os clássicos Chitãozinho e Xororó e Bruno e Marrone.

Muito show – Se tem alguém achando que o ano foi ‘mais ou menos’ para Michel Teló, longe de ter emplacado um novo “Ai se eu te pego”, é bom lembrar que 2015 foi excelente para ele. Após encaixar a série “Bem Sertanejo” no Fantástico, virou queridinho da TV Globo, com recentes aparições no dominical, Caldeirão do Huck e a cadeira cativa no The Voice.

Ceia farta – Na contramão do discurso da crise, o movimento no comércio tem empolgado o setor neste fim de ano. Ainda que o consumidor diga estar assustado com os preços, tem colocado a mão no bolso. Montadores de uma grande rede varejista estão trabalhando à noite e até aos domingos para atender a demanda.

(colaboraram Ângela Kempfer, Priscilla Peres, Flávio Paes, Leonardo Rocha e Mariana Rodrigues)

Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions