ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 25º

Comportamento

Cartaz pede para não denunciar maconheiros, mas convencer é difícil

Os depoimentos ilustram a polêmica entre quem está a favor ou contra a legalização

Thailla Torres | 21/07/2018 08:33
Folha sulfite ainda que resiste na avenida Fernando Corrêa da Costa. (Foto: Thailla Torres)
Folha sulfite ainda que resiste na avenida Fernando Corrêa da Costa. (Foto: Thailla Torres)

Ninguém sabe quando o cartaz amanheceu na avenida Fernando Corrêa da Costa, mas o papel colado em um poste pede para ninguém denunciar quando descobrir uma plantação caseira de maconha. Aparentemente, a ideia é levantar a necessidade de debater a liberação do uso. Mesmo inusitada, a iniciativa não mudou muita coisa pelas ruas em relação ao debate. 

Com o desenho de um grande pé de maconha, a mensagem defende que a erva é uma aliada no uso medicinal e quem cultiva não financia o narcotráfico, muito menos gera insegurança, mesmos argumentos para a legalização no Brasil. O cartaz contesta o discurso de que maconha é a porta de entrada para o consumo de outras drogas mais nocivas e que a liberação não diminuirá o poder do narcotráfico, nem o da dependência.

A reação de quem vê o recado pela primeira vez no poste ilustra bem a polêmica que há entre quem é a favor ou contra a legalização.

Ambulante acredita na proposta de legalização. (Foto: Thailla Torres)
Ambulante acredita na proposta de legalização. (Foto: Thailla Torres)

O ambulante Ed Wilson, de 42 anos, acha que a diabolização da maconha é um "absurdo". "Isso é um assunto muito complexo e maconha é melhor do que o álcool", afirma. Ele faz parte da minoria que, ao ler o recado na tarde, não acha ruim a liberação da cannabis. "Não sou contra, tem guri que usa ela como remédio e faz bem", justifica.

Ed elogia a coragem de quem espalhou o recado e acredita que, apesar da oposição, o que vale é a resistência de quem insiste em propor um debate. "Isso aqui faz o cara pensar ou, pelo menos, põe a questão na sua cabeça. Porque se você não discutir, os assuntos ficam em branco como sempre".

Mas ele acredita que o que falta é entendimento sobre a realidade de quem usa. "As pessoas ainda abominam, principalmente, porque é forte na periferia e o pobre é taxado como o que não presta. Enquanto os burgueses fumam escondidinho no carro e ninguém fala nada. É a sociedade impõe isso, aliás ela impõe o que a gente deve comer e beber, enquanto a maconha está no dia a dia de todo mundo".

Na visão dele, quando a sociedade proíbe a droga, abre portas para o descontrole. "Deveria legalizar para ter uma acompanhamento, mostrar para as pessoas quais são os benefícios e malefícios do uso. Só assim a gente consegue controlar, proibir não é a solução", acredita.

Gerente fica preocupado com a mensagem que até então era desconhecida. (Foto: Thailla Torres)
Gerente fica preocupado com a mensagem que até então era desconhecida. (Foto: Thailla Torres)

Na mesma hora o gerente Erivan Lacerda Lemos, de 54 anos, nota o recado e fica surpreso. "Achei que era até propaganda de limpeza", diz. Ao refletir por alguns segundos, ele discorda. "Isso aí é muito polêmico. No meu pensamento, legalizar não é viável para a nova geração".

Ele diz que o filho de 11 anos é a maior preocupação quando pensa no uso liberado. "Sobre financiar e liberar, sou contra. Acho que o assunto apenas tem que estar na grade escolar para conscientizar nossas crianças como não ir para o caminho errado das drogas". 

O assunto também preocupa quem vive o dilema da dependência química dentro de casa, diz o vendedor Ricardo Aquino de Araújo, de 44 anos, que trabalha na região. "A maconha pode ser a entrada para várias outras drogas. Eu tenho um irmão viciado em casa que, se descuidar, ele leva todas as coisas da minha mãe embora. É algo difícil", conta.

A situação do irmão é uma dentre muitas em Campo Grande, cidade com acesso facilitado às drogas, que faz Ricardo desacreditar sobre os efeitos reais da legalização.  Para ele, só prevenção e cuidado poderia reverter o caos da família. "Acho que a Prefeitura tinha que oferecer clínicas em que o cara é obrigado a ficar lá (para se recuperar). Nós já tentamos internar meu irmão e nunca conseguimos. Sou contra a liberação para plantar em casa, porque querendo ou não, ela é uma droga e afeta qualquer pessoa", afirma.

Aposentado reconheceu a planta e diz que é contra. (Foto: Thailla Torres)
Aposentado reconheceu a planta e diz que é contra. (Foto: Thailla Torres)

Com bom humor o jardineiro Valdir Souza Nascimento, de 38 anos, também se diz a favor e ainda vê vantagem na legalização. "Eu acho que tinha que liberar para acabar com essas brigas. Assim cada um planta e usa como acha melhor. Se liberar, é mais um jardim pra eu cuidar", brinca.

"Isso é maconha?", questiona o aposentado Valdivino Ferreira, de 71 anos. "Parece maconha mesmo, mas eu não sou plantador, viu", justifica ao reconhecer a planta. Apesar de ir contra o recado, ele acredita que a legalização não cabe no julgamento de todo mundo. "Eu acho que não tem que legalizar, mas se isso acontecer não sou eu que posso segurar. Planta e fuma quem quer".

De passagem pela cidade, o trabalhador rural Bruno Nunes Teixeira estranha o recado. "Olha eu sou da fazenda e o povo de lá é mais enjoado com isso", diz. Nem contra e nem a favor, ele só revela que "não denunciaria" porque já ouviu falar de um lado positivo. "Tem gente que usa como medicamento, quem sabe pode até ajudar".

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

Nos siga no Google Notícias