A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017

21/02/2017 11:24

Antes dos Amiibos, Mattel usava cards colecionáveis no HyperScan

Edson Godoy
Antes dos Amiibos, Mattel usava cards colecionáveis no HyperScan

No capítulo anterior do nosso especial “História dos Videogames”, falamos sobre o Wii, o revolucionário console da Nintendo lançado em 2006 e que popularizou os controles com detecção de movimento, vendendo mais de 101 milhões de unidades. Nesse mesmo ano, outra empresa tradicional no ramo dos consoles, mas que estava ausente desde a segunda geração, resolve tentar algo novo: a Mattel.

Ela foi a criadora de um dos mais importantes consoles da segunda geração dos videogames, o Intellivision, lançado no final da década de 70 e competidor direto do Atari 2600. Porém, depois do Crash de 1983, onde uma grave crise atingiu o mercado norte-americano de videogames, a empresa nunca mais se aventurou no ramo. Até que em 2006 ela retorna com uma nova proposta: trazer um console que fosse um misto de videogame e brinquedo, voltado ao público infanto-juvenil e que custasse bem menos que os outros consoles.

Assim nasceu o Mattel HyperScan. Lançado em 23 de outubro de 2006, já no final da sexta geração dos videogames (PlayStation 2, GameCube e Xbox), o console custava cerca de 70 dólares (a título de comparação, o PlayStation 2 custava cerca de 200 dólares) e tinha como principal característica a utilização de cartões colecionáveis, que adicionavam itens, fases, desafios e personagens ao jogo, algo semelhante ao que os Amiibos fazem hoje nos consoles da Nintendo (criados em 2014). O HyperScan era vendido com o jogo X-Men e 6 cards. Mais cards poderiam ser adquiridos separadamente, em pacotes chamados de “booster packs”.

O console tinha processador de 32bit e utilizava jogos em CD. Possuía também um leitor de cards bem chamativo, que utilizava a tecnologia RFID – Radio Frequency Identification, que fazia a leitura e transportava as informações do card para o console. Com essas características e o baixo preço, o HyperScan tinha tudo para encontrar o seu lugar no mercado né? Mas não foi bem isso que aconteceu. Vários problemas rondavam o console da Mattel.

O pacote inicial do HyperScan.O pacote inicial do HyperScan.
Os boosters packs, pacotes contendo cards adicionais.Os boosters packs, pacotes contendo cards adicionais.

A começar pelo foco equivocado da empresa. O público-alvo declarado do console eram meninos de 5 a 9 anos, crianças que ainda não possuíam maturidade suficiente para jogar consoles como o PlayStation 2 e que com certeza teriam nos cartões colecionáveis o grande apelo, além claro do preço baixo, que com certeza agradaria os pais. Porém, a linha inicial de jogos do console era praticamente toda voltada ao público adolescente. X-Men, IWL Wrestling, Marvel Heroes, Spider-Man e Ben 10 eram todos jogos voltados a jogadores acima de 10 anos.

Outro problema era a baixa qualidade em geral, tanto do console quanto dos jogos. Nada nele era capaz de impressionar. O console e o controle eram visivelmente construídos com materiais de baixa qualidade, com aquele ar de produto “xingling”. O leitor de cards as vezes demorava a fazer a leitura, algo que irritava um pouco. Os jogos estavam muito distantes do que os consoles da época eram capazes. Para piorar um pouco, a jogabilidade não era das melhores e os tempos de loading eram extremamente longos.

Com esses problemas, o HyperScan foi um fracasso nas vendas. Lembra que eu mencionei os 5 jogos da leva inicial de lançamentos? Pois é... Eles foram os únicos jogos lançados para o console. Ainda chegaram a ser anunciados outros dois jogos (Avatar: The Last Airbender e Nick Extreme Sports), porém jamais foram lançados. O console foi descontinuado em 2007, pouco mais de um ano após o seu lançamento. Não há na internet informações sobre a quantidade de consoles vendidos.

Confira abaixo dois vídeos onde mostramos com maiores detalhes o Mattel HyperScan e um de seus jogos: Marvel Heroes. E assim encerramos mais um capítulo de nosso especial. No próximo falaremos sobre o famigerado Zeebo, console com DNA brasileiro lançado no Brasil pela Tectoy.

Visite o site do Vídeo Game Data Base




imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.