A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

18/08/2016 20:16

Campanha pelo Facebook já dá ‘dor de cabeça’ à Justiça Eleitoral de MS

TRE recebeu 30 denúncias e dois candidatos foram obrigados a retirar propagandas eleitorais pagas feitas pela rede social

Anahi Zurutuza
Facebook pode ser usado por candidatos, mas propaganda paga é proibida (Foto: Anahi Zurutuza)Facebook pode ser usado por candidatos, mas propaganda paga é proibida (Foto: Anahi Zurutuza)

Desde terça-feira (16), quando candidatos foram liberados para fazer campanha, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul, não para de receber denúncias sobre possíveis crimes eleitorais. Foram 30 nestes três dias, conforme consta no sistema on-line de estatísticas sobre o período eleitoral do TRE-MS. De acordo com o juiz, David de Oliveira Gomes Filho, da 36ª Zona Eleitoral, que é o primeiro a analisar as acusações, a maior parte delas aponta erros na propaganda feita no mundo virtual e até agora, o Facebook é o principal “vilão”.

Na manhã desta quinta-feira (18), ele julgou 14 denúncias. A maioria foi considerada improcedente, mas o magistrado identificou ilegalidades na campanha de três candidatos a vereador, sendo que dois concorrentes estavam usando as redes sociais de forma ilegal. “Determinei que fosse retirada do ar duas propagandas patrocinadas feitas no Facebook”, revelou David de Oliveira.

O artigo 57-C da Lei das Eleições diz que “na internet, é vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga”.

O juiz disse ainda que a maior parte das denúncias foi anônima, o que leva ele a crer que se tratam de adversários fiscalizando uns aos outros. Das 30 acusações, 11 recaem sobre candidatos de Campo Grande e apenas 11 estão relacionadas a situações que aconteceram fora da internet.

WhatsApp tem de ser usado com cuidado para não ‘encher o saco’ do eleitor (Foto: Fernando Antunes)WhatsApp tem de ser usado com cuidado para não ‘encher o saco’ do eleitor (Foto: Fernando Antunes)

Condenação – Terminada a fase das providências emergenciais – neste caso, retirar as propagandas do ar –, as denúncias agora estão nas mãos do MPE (Ministério Público Eleitoral), que analisará a possibilidade de pedir a condenação dos candidatos por crime eleitoral, punido com pagamento de multa e até uma futura impugnação da posse do candidato eleito.

Em maio, o Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco condenou uma mulher ao pagamento de multa de R$ 5 mil, porque ela estava utilizando as publicações patrocinadas no Facebook para divulgar sua futura candidatura política.

O TRE-PE aplicou a sanção com base no parágrafo 3º do artigo 36 da Lei das Eleições. “A violação do disposto neste artigo sujeitará o responsável pela divulgação da propaganda à multa”, estabelece a legislação. O valor da punição pode chegar a R$ 30 mil em Mato Grosso do Sul, ou pode ser fixado no equivalente ao custo da propaganda, se este for maior.

WhatsApp – O aplicativo de mensagens instantâneas também pode dar “dor de cabeça”. O candidatos até tem permissão para enviar propostas e o material de campanha pelo WhatsApp e afins, mas se o receptor sair de um grupo ou pedir para deixar de receber as informações e imagens, o candidato tem 24 horas para retirá-lo da lista de contatos.

Caso o incômodo continue, ou seja, se o eleitor for adicionado ao tal grupo novamente ou continuar recebendo mensagens, ele tem direito a indenização de R$ 100, que será paga por meio de multa aplicada ao concorrente a cargo eletivo.

Juiz eleitoral, além de representantes do Ministério Público Eleitoral e da Polícia Federal, fizeram ‘plantão tira-dúvidas’ ontem no TRE (Foto: Anahi Zurutuza)Juiz eleitoral, além de representantes do Ministério Público Eleitoral e da Polícia Federal, fizeram ‘plantão tira-dúvidas’ ontem no TRE (Foto: Anahi Zurutuza)

Conselho – Estas e outras informações foram dadas por David de Oliveira na tarde de hoje, em reunião convocada por ele no TRE-MS. Estiveram na sede da Justiça Eleitoral, no Parque dos Poderes, os representantes de partidos e coligações, além de advogados e profissionais da comunicação, que trabalham nas campanhas.

O magistrado deu conselhos aos participantes. Nestas eleições, disputadíssimas, “todo cuidado é pouco”, resumiu o juiz, porque o conhecimento sobre as novas regras para as campanhas – ditadas pela lei 13.165/2015, da reforma eleitoral – também pode ser usado como arma para enfrentar os adversários.

Oliveira ressaltou ainda que candidatos têm de tomar cuidado não só com os concorrentes, mas com o próprio eleitor. “Neste ano, o eleitor vai ser o juiz. As pessoas estão cada vez mais informadas, buscando conhecimento. 2016 é diferente de 2006. O candidato tem de pensar: ‘será que burlar as regras vale a pena? Qual será o juízo de valor que o meu eleitor fará sobre mim? Será que ele não vai pensar que se eu estou descumprindo a lei agora, vou descumprir depois? Uma placa a mais não ganha um voto a mais. Não acho que as pessoas votem por motivos assim”, finalizou.

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions