A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Agosto de 2017

27/12/2013 19:43

Com cassação barrada, "coalizão" vai avançar muito, diz Pedro Chaves

Josemil Arruda
Bernal não tem mais nenhuma restrição, nem ao PMDB, garante Pedro Chaves (Foto: arquivo)Bernal não tem mais nenhuma restrição, nem ao PMDB, garante Pedro Chaves (Foto: arquivo)

O secretário municipal de Governo, Pedro Chaves, garante que a partir de agora o processo de construção da “coalizão” na administração do prefeito Alcides Bernal terá um grande avanço, com a suspensão do julgamento na Câmara de Campo Grande, por decisão judicial. “A partir de segunda-feira teremos novas conversações com todos os partidos. O governo de coalizão vai prosperar muito mais agora”, garantiu Chaves, no começo desta noite.

Pedro Chaves tinha programado um natal mais tranquilo com a família no Rio de Janeiro, em seu duplex na Barra da Tijuca, de frente para o mar, mas teve que voltar às pressas para Campo Grande a fim de trabalhar na articulação para barrar o processo de cassação. Indagado se o Natal foi curto, o secretário respondeu: “Natal não deu muito tempo de ficar de família, mas o desafio maior é a missão que assumimos”.

Na avaliação de Chaves agora será possível ter tempo para construir a solução para a crise, pela via política. “Na verdade, temos de resolver as coisas politicamente. Justiça é caso extremo mesmo. Toda solução é pela via política, essa é a via correta”, apontou ele.

Para Pedro Chaves, o momento é mesmo de “virar a página”, como pregou o prefeito durante entrevista à imprensa nesta sexta-feira (27). “O prefeito nos deu abertura grande, ofereceu condições para ampla coalizão. Deixou claro na isso na Câmara, chamando todos os partidos, inclusive o PMDB. Não tem nenhuma restrição”, argumentou.

Votos contra cassação – O secretário Pedro Chaves não considera que a base política do prefeito estava restrita a seis vereadores, como chegou a admitir ontem Bernal antes da suspensão dos trabalhos de julgamento. “Acho que teríamos condições de reverter, mas não queríamos nos expor”, assegurou.

Antes de viajar para o Rio de Janeiro, Chaves chegou a dizer que a base de Bernal já tinha 12 vereadores, o que não se confirmou ontem. O próprio prefeito chegou a dizer que a oposição tinha maioria e iria cassá-lo.

Além do vereador Edson Shimabukuru (PTB), que passou a integrar a base com a nomeação de Jean Saliba para a presidência da Agência Municipal de Trânsito (Agetran), Pedro Chaves garante que há mais vereadores que passaram a apoiar Bernal. “Nós temos Jamal (Salém), que sempre fez parte da base, o Paulo Pedra também faz parte e outros que não vamos revelar para não desgastar”, informou.

Chaves também apontou outra vertente que pretende trabalhar: um melhor relacionamento com a imprensa. “Precisamos muito da imprensa, que ela venha a somar conosco. É importante divulgar o trabalho que a gente está fazendo na saúde, educação, na área de obras, em que diversos bairros estão sendo contemplados”, declarou.

 

 

 




nosso prefeito tem que ser apoiado,não cassado para ter a chance de mostrar seu trabalho.O que esperamos de um vereador é trabalhar a favor do povo,independente de sigla partidária.
 
Célia gomes em 28/12/2013 04:53:19
Podem chamar de coalizão. Eu chamo de ACERTO mesmo!
 
João Carlos Silva Oliveira em 27/12/2013 22:01:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions