A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

07/03/2013 10:10

Com derrubada de veto dos royalties, Mato Grosso do Sul terá 150 milhões

Aline dos Santos
Votação foi na madrugada de hoje. (Foto: Nilson Bastian/Câmara dos Deputados)Votação foi na madrugada de hoje. (Foto: Nilson Bastian/Câmara dos Deputados)

O anúncio oficial sai à tarde, mas a Câmara Federal já divulgou a derrubada dos vetos presidenciais à Lei dos Royalties do petróleo. O resultado é sinônimo de mais dinheiro para Mato Grosso do Sul. Na ala das unidades da federação que não extraem pretróleo, o Estado terá a arrecadação ampliada de R$ 7 milhões para R$ 150 milhões por ano. A nova divisão havia sido aprovada pela Câmara Federal, mas a presidente Dilma Rousseff (PT) vetou.

Na madrugada desta quinta-feira, numa sessão tumultuada, deputados federais e senadores derrubaram o veto. “Agora, volta a valer o projeto original. Que aumenta os repasses para Mato Grosso do Sul e para a maioria dos Estados”, afirma o senador Waldemir Moka (PMDB).

Ele relata que a votação foi tensa porque o regulamento prevê vários recursos que poderiam obstruir a análise do veto. Enquanto parlamentares de Rio de Janeiro e Espírito Santo, Estados que perdem com a nova distribuição dos royalties, chegaram a abandonar o plenário, os políticos dos outras unidades se mobilizaram para garantir a análise.

De acordo com o deputado federal Fábio Trad (PMDB), eles buscaram diversas manobras. “Provocaram o presidente Renan Calheiros para saber se tinham ou não o direito de falar por 20 minutos. Mas o Renan afastou as questões de ordem, com base no regimento e Constituição Federal”, relata.

Trada afirma que apenas 123 dos 5.564 municípios brasileiros terão redução. “Mas não vão ficar na escassez, eles recebiam muitos recursos. Uma espécie de gordura, que vai servir para alimentar os outros”, compara. Ele exemplifica que Campos, no Rio de Janeiro, recebeu R$ 1,3 bilhão de royalties no ano passado. Enquanto o Estado de Alagoas ficou com R$ 49 milhões.

Agora, a lei será promulgada pelo Congresso. Segundo Trad, devido à urgência financeira dos Estados, a nova legislação deve passar a valer o mais rápido possível. “Mato Grosso do Sul tem 150 milhões de motivos para sorrir”, afirma o deputado.

Antecipou – Conforme o site da Câmara Federal, o deputado Júlio César (PSD-PI), que participou da comissão apuradora, afirmou que a maioria dos parlamentares votou pela derrubada dos vetos. A contagem dos votos foi finalizada às 4 horas. Segundo ele, o resultado aproximado foi: 54 senadores a favor da derrubada dos vetos e 7 pela manutenção, e 350 deputados favoráveis à derrubada contra 45 pela manutenção.

A divulgação oficial do resultado deve ser feita pelo presidente do Congresso, Renan Calheiros, a partir das 14h (horário de Brasília).

Ofensiva - Os parlamentares de Rio de Janeiro e Espírito Santo devem recorrer ao STF (Supremo Tribunal Federal) para que a decisão seja considerada inconstitucional. Ou seja, uma batalha jurídica pode mudar a partilha. Os royalties são valores pagos pela extração do petróleo. No novo entendimento, a riqueza é considerada bem de toda a União, portanto de todos Estados e municípios.

A proposta aprovada pelo Congresso reduziu de 26,25% para 20% a arrecadação dos Estados produtores e garantiu aos Estados e municípios não produtores – que recebiam apenas 1,76% dos royalties do petróleo – uma fatia maior dos recursos.

Resultado da votação dos vetos dos royalties só sai na manhã de quinta
Depois de uma sessão tensa entre parlamentares de estados produtores de petróleo e não produtores, o Congresso Nacional votou na noite dessa quarta-f...
STF nega mandado de segurança para impedir votação de vetos dos royalties
O presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, negou liminar a parlamentares do Esprito Santo para impedi...


Acho errado dividir,porque a bem da verdade quem sofre com os danos causados sao na verdade rio de janeiro e espirito santo, Mato grosso nao deveria receber bulhufas pq nem mar tem !!!
e se assim for, que dividam também os minérios.
 
keila gouvea em 08/03/2013 23:14:44
É bom, é válido, é maravilhoso. Mas convenhamos? 150 milhões, é uma MERRECA, se compararmos os gastos e reparos que o estado precisa, e isso requer muito mais que 150 milhões. Rio de Janeiro e São Paulo, uns USURPADORES da grande fatia do dinheiro gerado pela riqueza do Brasil, que não é só deles, mas do BRASIL!
 
Igor Andrade em 07/03/2013 20:24:35
será que a presidente da republica Senhora Dilma não raciocina que tem que dividir para todos os Estados e Municipios crescerem ou a mesma, após seu mandatos pretende se canditadar a prefeitura do Rio de Janeiro, porque ganhar pra presidente do Brasil, nunca mais..............tá vetando tudo que é importante....não da pra entender mas parece que quer medir forças com o congresso..........
 
odair nascimento em 07/03/2013 17:18:48
Muitos estão iludidos, mas daqui a 20 anos, após os estados receberem bilhões em royalties verão que os problemas de miserabilidade, saúde, educação e segurança serão os mesmos, nada vai mudar.
 
Jorge Souza em 07/03/2013 17:16:14
Esta é a vitoria do Brasil, só não sabemos se vai ser confirmada pelo STF, espero que sim, pois o Brasil só vai ser igual quando todos os brasileiros tiverem direitos de forma igual as riquezas do País.
 
Messias Sulino em 07/03/2013 17:14:04
Justissima essa maior divisão dos royalties. Agora, cabe aos governantes de cada Estado beneficiado, aplicar com seriedade esses novos recursos.
 
MARCELLO MENDES em 07/03/2013 16:28:33
Parabéns aos deputados e senadores que souberam ouvir os clamores das ruas (dos seus eleitores). Apesar desse gesto ser atípico dessa notória Casa de Leis.
 
Antonio Paredes em 07/03/2013 12:53:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions