ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 23º

Política

Conselho da OAB ainda discute caso Júlio Cesar e pode votar proposicões

Zemil Rocha | 25/10/2013 15:47
Conselheiros da OAB-MS discutindo tratativas contratuais de Júlio e Bernal (Foto: Marcos Ermínio)
Conselheiros da OAB-MS discutindo tratativas contratuais de Júlio e Bernal (Foto: Marcos Ermínio)

A maioria dos 32 conselheiros da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MS) que se manifestaram no período da manhã consideraram insatisfatórias as explicações do presidente da entidade, Júlio Cesar, a respeito das tratativas com o prefeito Alcides Bernal (PP) para contratação de serviços advocatícios para elevar o índice de ICMS de Campo Grande. Essa pelo menos é a opinião de Jully Eyder, secretário geral adjunto da OAB-MS.

Depois de um intervalo para almoço, a reunião do Conselho Estadual da OAB-MS foi retomada há pouco, às 15h30. “E não tem hora para terminar, vai até exaurir o assunto”, observou Jully, que também participa do evento.

Após os debates, alguns conselheiros devem levantar proposições que vão ser votadas pelo Conselho Estadual da OAB-MS. Indagado sobre quais propostas podem surgir, Jully Eyder respondeu: “O grande eixo das discussões foi a necessidade do presidente prestar esclarecimento para o Conselho dele, ao qual ele acha que não deve prestar, considerando que só deve explicações com documentos para o Conselho Federal”.

Na opinião de Jully Eyder, porém, e da maioria dos integrantes da diretoria da OAB-MS e ex-presidentes da entidade, Júlio Cesar deve sim explicações internamente e ao Conselho Estadual. “Temos de apurar o fato internamente, embora sem caráter disciplinar”, defendeu o dirigente.

Discurso sem documento – O presidente da OAB-MS, Júlio Cesar, explicou esta manhã, durante a reunião do Conselho Estadual, como foram as tratativas para firmar contrato com a Prefeitura de Campo Grande. Disse que foi procurado e que as conversas começaram no mês de maio. Falou do objeto da contratação que é a elevação do índice do ICMS para o município de Campo Grande e passou a justificar a sua capacidade jurídica de prestar o serviço.

Em seguida, alguns conselheiros defenderam a postura de Júlio Cesar e criticaram os outros dirigentes e ex-presidentes da OAB que que fizeram uma carta cobrando explicações ao presidente sobre o contrato com Bernal. A maioria, porém, considerou insuficiente a explicação de Júlio Cesar. “Ele tem de avançar para algo mais material”, defendeu Jully Eyder. “Cadê o processo, justificativa, minuta do contrato?”, questionou.

Nos siga no Google Notícias