A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

14/09/2011 12:15

Na Assembleia, mudança no ICMS Ecológico tem apoio de aliados e oposição

Aline dos Santos e Fabiano Arruda

Sugestão é incluir aterro sanitário como um dos critérios de distribuição

Para líder do governo, mudança será alavanca para municípios acabar com lixões. (Foto: João Garrigó)Para líder do governo, mudança será alavanca para municípios acabar com lixões. (Foto: João Garrigó)

Proposta pelo governador André Puccinelli (PMDB), a mudança no rateio do ICMS Ecológico (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) une base aliada e oposição na Assembleia Legislativa.

A sugestão é incluir aterro sanitário com um dos critérios que credencia os municípios a receber os recursos, destinados atualmente às prefeituras que investem em conservação do meio ambiente e áreas indígenas. As cidades brasileiras têm prazo até 2014 para acabar com os lixões.

“Isso pode servir como alavanca para os municípios, que precisam acabar com os lixões. Acho importante e viável que o ICMS Ecológico não fique só na preservação das APAs [Área de Proteção Ambiental]”, afirma o deputado estadual e líder do governo, Júnior Mochi (PMDB). Ele lembra que o governador pode encaminhar um projeto à Assembleia Legislativa ou fazer alteração por decreto.

“Concordo plenamente. Os maiores problemas ambientais são decorrentes dos lixões. Em Campo Grande, é um problema à saúde dos trabalhadores. No interior, também têm denúncias de lixões que causam problemas ambientais “, salienta Pedro Kemp (PT), que faz parte da oposição.

Para o deputado Rinaldo Modesto (PSDB), é uma oportunidade de incentiva a construção de aterro sanitário. “Os municípios vão ter dificuldade financeira por conta do prazo”, avalia.

A ampliação do critério de distribuição do ICMS Ecológico foi sugerida ontem pelo governador, durante a abertura da 1ª Audiência Pública do Plano Nacional de Resíduos Sólidos, em Campo Grande.

Reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, diz Meirelles
A reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, de acordo com o ministro da Fazenda Henrique Meirelles. A declaração foi dada na noite de...
Quanto mais reforma demorar, mais dura será correção, diz ministro
Caso o governo não consiga aprovar a reforma da Previdência ainda este ano, conseguirá em 2018, disse hoje (11) o ministro do Planejamento, Dyogo Oli...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions