ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 19º

Política

Patrimônio de candidatos de MS ao Senado vai de R$ 60 a R$ 130 milhões

Dados constam em declaração de bens entregues ao TRE no ato de registro de candidaturas, que vai até esta quarta-feira

Humberto Marques | 14/08/2018 19:19
Pedro Chaves informou patrimônio superior a R$ 130 milhões, o maior até aqui entre candidatos em MS. (Foto: Jeferson Rudy/Agência Senado/Arquivo)
Pedro Chaves informou patrimônio superior a R$ 130 milhões, o maior até aqui entre candidatos em MS. (Foto: Jeferson Rudy/Agência Senado/Arquivo)

Com sete candidatos –e 19 suplentes– inscritos até aqui, a corrida ao Senado em Mato Grosso do Sul envolve pessoas que destoam não apenas quanto a ideologia política, como também ao patrimônio construído ao longo da vida. Enquanto um dos pleiteantes relatou ter bens e valores superiores a R$ 130 milhões, que o fazem até aqui o candidato mais rico na disputa, outro concorrente a uma das duas vagas informou ter apenas R$ 60.

Apesar de o TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) ainda estar atualizando informações, alguns dados já podem ser consultados. Até aqui, o candidato à reeleição Pedro Chaves (PRB) apresentou o maior patrimônio: R$ 130.494.560,75, resultado de sua trajetória na área empresarial e educacional, distribuído principalmente em imóveis, depósitos e aplicações financeiras.

Chaves, inscrito na chapa na qual Odilon de Olivaira (PDT) concorrerá ao governo, tem como suplentes dois vereadores: Gilmar da Cruz (PRB), da Capital, que informou bens de R$ 125.125,46; e Angelo Mendes (PRB), de São Gabriel do Oeste, cujo patrimônio declarado é de R$ 133.190,01 –em maioria relativos a imóveis.

Em outro extremo, Anisio Guató (Psol) informou “outros bens e direitos” de R$ 60. Os dados do candidato estavam incompletos, não sendo apresentado pela Justiça Eleitoral sequer os nomes de seus suplentes –José Roberto Jacques e Anisio Guilherme da Fonseca. O partido tem o advogado João Alfredo como candidato a governador.

Anísio Guató (3º na foto), candidato do Psol ao Senado, informou R$ 60 em patrimônio. (Foto: Reprodução)
Anísio Guató (3º na foto), candidato do Psol ao Senado, informou R$ 60 em patrimônio. (Foto: Reprodução)

Imóveis Em maioria, os maiores valores declarados pelos candidatos são vinculados a propriedades: terras, casas, apartamentos e salas comerciais. Tal dado é uma constante nas declarações apresentadas até aqui.

Pecuarista e engenheiro, Marcelo Miglioli (PSDB) é, até aqui, o candidato a senador com o segundo maior patrimônio declarado: R$ 3.776.573,39. O pastor Antônio Dionizio (PSB), com bens de R$ 2.177.137,00, e a presidente da Câmara de Dourados, Daniela Hall (PSD), que informou posses de R$ 104.649,21, são respectivamente o primeiro e segundo suplentes do tucano.

O valor apresentado por Miglioli é superado pelo do empresário José Chagas (DEM), de Naviraí, primeiro suplente de Nelsinho Trad (PTB), que relatou patrimônio de R$ 5.164.631,76. O valor também está acima do informado pelo petebista: R$ 3.204.570,89. A segunda suplente da chapa, Therezinha Bazé, de Três Lagoas, informou posses de R$ 257.241,98. Os dois candidatos a senador dividem chapa com Reinaldo Azambuja (PSDB).

O advogado Beto Figueiró (Podemos), outro candidato a senador na chapa do PDT, informou ter patrimônio de R$ 2,56 milhões, pouco acima do informado por seu primeiro suplente, o também advogado Omar Kadri (R$ 2.351.470). O segundo suplente, Venício Leite de Oliveira, informou patrimônio de R$ 763.146,89.

TRE aguarda até esta quinta-feira pelo registro de candidatos. (Foto: Arquivo)
TRE aguarda até esta quinta-feira pelo registro de candidatos. (Foto: Arquivo)

Também já registraram suas candidaturas Dorival Betini (PMB) e Mário César Fonseca (PC do B). O primeiro, servidor público estadual, disputa sem uma cabeça de chapa propriamente dita –seu partido está no arco de alianças do PSDB. Betini relatou patrimônio de R$ 205 mil, abaixo do de sua primeira suplente, a empresária Meire Aparecida Xavier (R$ 1.278.269,48). A segunda suplente é Gislaine Rocha, primeira-dama de Mundo Novo, que informou bens de R$ 30 mil.

Até o fechamento desta reportagem, o TRE apontava que Mário César e seu segundo suplente, Elias Camilo dos Santos, não tinham patrimônio a declarar. Já a primeira suplente, Lucianne Valéria Pina Bluma, informou bens e valores na ordem de R$ 261.986,40.

Os candidatos que pretendem disputar as eleições deste ano têm até esta quarta-feira (15) para apresentar as inscrições junto ao TRE. Com base em convenções e decisões partidárias, devem encaminhar suas documentações Soraya Thronicke (PSL), Waldemir Moka (PMDB), Thiago Freitas (PPL), Zeca do PT e César Nicolatti (PTC), bem como seus suplentes.

Nos siga no Google Notícias