A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

27/07/2011 10:31

Prefeito muda secretariado e diz que atende até no corredor em Alcinópolis

Fabiano Arruda
Alcino Carneiro, pai do vereador assassinado, Carlos Antônio Carneiro, assumiu prefeitura de Alcinópolis na segunda-feira. (Foto: João Garrigó) Alcino Carneiro, pai do vereador assassinado, Carlos Antônio Carneiro, assumiu prefeitura de Alcinópolis na segunda-feira. (Foto: João Garrigó)

Empossado na segunda-feira, o prefeito interino de Alcinópolis, Alcino Carneiro (PDT), pai de Carlos Antônio Carneiro, vereador assassinado em outubro do ano passado em Campo Grande, afirmou nesta quarta-feira que já deu posse ao novo secretariado e que o atendimento na prefeitura está normal.

“A prefeitura está aberta e estou atendendo todo mundo que chega, apesar de precário. Atendo até no corredor”, diz Carneiro.

Sob argumento de que não quer misturar sua administração com a anterior, o prefeito trocou todo o secretariado e já deu posse a Altamiro França (Secretaria de Obras), Célia Regina (Saúde), Jesus Aparecido de Lima (Educação), Lucimar de Souza Rocha (Planejamento), Elisberto Martins (Desenvolvimento) e Cilene de Assis (Promoção).

O novo chefe do Executivo Municipal de Alcinópolis garante que todos os nomes são de sua confiança, além de assegurar que não era contrário a nenhum integrante do antigo primeiro escalão da prefeitura.

“Estamos chegando e até o momento procuramos formar o novo secretariado. Agora vamos prosseguir o trabalho. A única coisa que tenho clara é que quero saber como funcionava a administração de Alcinópolis”, afirma o pedetista.

Prisões - Devido à polêmica, Alcino está sob proteção policial, pois teria sofrido ameaças após a prisão do prefeito, de três vereadores e um comerciante, pela ligação com o assassinato de seu filho.

Há uma semana, o então prefeito de Alcinópolis, Manoel Nunes da Silva (PR), o presidente da Câmara, Valter Roniz (PR) e os vereadores Enio Queiroz (PR) e Valdeci Lima (PSDB), foram presos pela suspeita de envolvimento na execução de Carlos Antônio Carneiro, então presidente da Câmara. As prisões são válidas por 30 dias.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions