A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Agosto de 2017

06/11/2015 12:18

Reprovação da contas da Dilma foi uma punição histórica, diz ministro

Leonardo Rocha
Ministro do TCU diz decisão foi histórica, mas que ações agora estão com o Congresso Nacional (Foto: Fernando Antunes)Ministro do TCU diz decisão foi histórica, mas que ações agora estão com o Congresso Nacional (Foto: Fernando Antunes)

O ministro do TCU (Tribunal de Contas da União), João Augusto Nardes, afirmou em coletiva de imprensa, na sede da Fiems (Federação das Indústrias de MS), que a reprovação das contas da presidente Dilma Rousseff (PT), foi algo histórico no país, e que se trata da maior punição da instituição. As demais providências devem ser tomadas pelo Congresso Nacional.

"Reprovar as contas é a maior punição do TCU, seja para prefeitos, governadores e agora a presidente da República, se tratou de algo histórico, que pode levar inclusive a perda dos direitos políticos por oito anos. A matéria agora fica com o Senado Federal e a Câmara dos Deputados", disse ele, durante evento de hoje (06), em Campo Grande.

O ministro explicou que antes era aprovado com ressalvas, porque tinha algumas irregularidades, mas agora foi diferente porque houve as famosas "pedaladas", quando se usou recursos de bancos públicos para pagar programas sociais, uma forma de "maquiar" as contas públicas. "Foi um momento difícil, de muita tensão, que pode mudar a história do Brasil".

Nardes ressaltou que a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) foi uma grande conquista, e que é natural que com toda esta insatisfação da sociedade sobre política e economia, se façam mobilizações. "As pessoas querem ver o Brasil melhor, estão insatisfeitas com o poder público, faz parte do jogo da democracia".

Para o ministro cabe ao Congresso Nacional analisar se existem motivos para o impeachment da presidente, pois ao TCU coube apenas avaliar as contas, que foram rejeitadas. "Mostramos quais eram os problemas, fica a cargo dos deputados e senadores encontrarem uma saída, pois o país precisa voltar a crescer e investir, em meio a crise política e econômica".

O ministro foi convidado para realizar uma palestra na Fiems, sobre a gestão pública no país, além de divulgar seu livro sobre o tema, que chama: "Governança Pública - O Desafio do Brasil". Antes do evento, ainda foi recebido pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), no gabinete do tucano, onde conversaram sobre a economia regional e nacional.

Juiz Sérgio Moro nega suspensão de segundo interrogatório de Lula
O juiz federal Sérgio Moro negou nesta sexta-feira, 18, o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para adiar seu interrogatório m...
Cármen Lúcia determina que tribunais divulguem salários de magistrados
A ministra Carmen Lúcia, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), assinou nesta sexta (18) uma portaria ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions