A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

24/11/2015 17:45

STJ nega pela 2ª vez pedido de Olarte para barrar julgamento por corrupção

Michel Faustino
Olarte teve pedido de HC novamente negado pelo STJ. (Foto: Arquivo)Olarte teve pedido de HC novamente negado pelo STJ. (Foto: Arquivo)

A 6ª Turma do STJ (Supremo Tribunal de Justiça) negou, nesta terça-feira (24), o pedido de habeas corpus impetrado pelo prefeito afastado Gilmar Olarte (PP) pedindo a suspensão da ação que tramita no TJMS (Tribunal de Justiça do Estado), em que é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Essa foi a segunda tentativa dos advogados de Olarte para mudar o andamento da ação judicial. Com a decisão, o julgamento está mantido para começar na sexta-feira.

Em agosto deste ano, o ministro Ericson Maranho, do STJ, já havia negado um primeiro pedido e o processo retornou ao TJMS.

Segundo a denúncia do MPE (Ministério Público Estadual), as provas coletadas pelo Gaeco(Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) comprovam que houve corrupção e lavagem de dinheiro. Ainda conforme as investigações, durante a campanha eleitoral de 2012, o prefeito e Ronan trocaram cheques em branco para “bancar viagens ao interior” e “para fazer contatos”.

Só uma das vítimas repassou 25 folhas de cheques em branco. O prejuízo total, conforme o Gaeco, chegou a aproximadamente R$ 1 milhão. O caso ganhou repercussão nacional ao ser tema de reportagem do programa Fantástico da TV Globo em 17 de maio deste ano. Foram oito mil gravações telefônicas feitas pelo Gaeco.

A defesa de Olarte argumentou que as interceptações telefônicas feitas pelo Gaeco foram ilegais, já que as escutas começaram a ser feitas justamente no dia em que Olarte assumiu a Prefeitura, em 13 de março do ano passado. Nesse caso, por ter foro privilegiado, as interceptações teriam que ter autorização do Tribunal de Justiça, o que não ocorreu pois a autorização havia sido dado por juiz de primeiro grau.

No pedido de liminar ao HC ingressado no STJ, o advogado Jail Azambuja aponta ainda uma outra situação que ele considera de irregularidade na ação do Gaeco. Segundo ele, quando o Gaeco pediu a prorrogação das escutas, desta vez no TJ, a manifestação do desembargador Romero Osme Dias Lopes foi de que as diligências fossem feitas por autoridade policial, o que também não teria ocorrido.

O advogado alegou ainda, durante o andamento do processo em que agora ele figura como réu, também não foi lhe dado o direito a ampla defesa.

Outra decisão - O STJ solicitou informações ao TJMS sobre o outro pedido de habeas corpus de Olarte que tentava travar o trabalho realizado pelo Gaeco na Operação Coffee Break.

A decisão foi adiada e até então não tem data para entrar em pauta na 5ª turma.

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...


Vítima??? entregando 25 folhas de cheques em branco?? ora,,algum interesse tinha, de graça claro não foi e nem deveria, mas qual o interesse em dar cheques em branco? são só perguntas...
 
leoa em 25/11/2015 11:31:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions