A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

27/11/2015 15:10

A Playboy acabou

Por Gabriel Bocorny Guidotti (*)

A Playboy anunciou que sua última edição irá circular em dezembro deste ano. A notícia causou rebuliço na comunidade masculina, que se acostumou a observar as mulheres mais belas do Brasil ali estampadas. Uma decisão como essa era previsível. A versão americana já havia comunicado o fim da nudez em suas páginas, embora a revista impressa permaneça no mercado com o enfoque em reportagens.

Eu me considero um espectador da realidade. Noto, sobretudo nas redes sociais, uma banalização da beleza. Os corpos femininos e masculinos seguem uma lógica: muitos músculos, formas exuberantes e fotos arrebatadoras para manter o público atento. Com um mercado prolífero desses de graça, por qual razão as pessoas ainda comprariam entretenimento adulto? No caso da Playboy, o fim também estava anunciado pela terrível crise que assola o Grupo Abril.

As reduções de pessoal e cortes de produtos da empresa não são novidade. Antes monopolista de certos setores de informação da mídia, hoje a Abril está cada vez mais mirrada, incapaz de sobreviver ao cenário digital. Mas essas dificuldades não são exclusivas da Editora. Com a derrocada dos impressos, o desafio dos grupos de comunicação é conseguiu angariar adeptos na internet, criando modelos de negócios que rentabilizem suas atividades.

Mas a Playboy vai encerrar suas atividades. A concorrência da pornografia online e das belezas banais espalhadas pela rede encerrou o ciclo da revista. Sites de respeito passaram a dedicar considerável espaço aos cliques seminus de artistas e subcelebridades na rede. Algumas pessoas “mostram demais”. Outras deixam escapar algum ângulo “estrategicamente”, a fim de aguçar a curiosidade e o desejo de seguidores. Isso quando não ficam peladonas livremente.

Em outras palavras, a Playboy perdeu seu chamariz. Nudez virou tema corriqueiro. Sexo, que já foi de tema de constrangimento, hoje é ‘vendido’ com naturalidade, inclusive como elemento noticioso. Nossa sociedade caminha para isso. Talvez a revista tenha puxado o gatilho dos novos tempos, não sei. O certo é que foi um impresso histórico, marcou época e influenciou diretamente a cultura da forma física feminina. Para os fãs, um lamento: acabou.

(*) Gabriel Bocorny Guidotti, bacharel em Direito e estudante de Jornalismo de Porto Alegre – RS

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions