A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

23/01/2016 10:48

Comércio exterior: nova política

Por Milton Lourenço (*)

Se o Brasil hoje detém menos de 1% de participação no comércio mundial, depois de ter alcançado 1,41% em 2011, culpa cabe à política equivocada que o seu governo adotou a partir de 2003, quando o Ministério das Relações Exteriores perdeu completamente sua autonomia, passando a responder à Assessoria Especial da Presidência da República. Segundo aquela orientação ideológica e partidária, os Estados Unidos seriam o grande satã do planeta e o País deveria lutar para deixar de ser dependente de sua economia, idéia que levou Brasil e Argentina a boicotarem deliberadamente as negociações para a formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).

Com isso, o Brasil passou a vender majoritariamente matérias-primas para a China e a perder espaço para os seus produtos manufaturados nos Estados Unidos. Hoje, há uma diminuição na demanda no comércio mundial que afeta diretamente o desempenho do País. De acordo com a consultoria McKinsey, 17,5% do comércio mundial se encontram nas Américas (com os Estados Unidos em crescimento e a América Latina e o Caribe operando abaixo da média), 38,8% na Europa, que apresenta lenta recuperação, 31,4% na Ásia, que registra queda de demanda, 4,2% na Comunidade dos Estados Independentes (CEI), 4,25% no Oriente Médio e 3,8% na África.

Obviamente, diante desse quadro, se o Brasil tivesse continuado na órbita dos Estados Unidos, com certeza, a sua participação no comércio mundial seria superior a 1,5%. E não sofreria tanto as consequências da queda que se registra nas cotações de soja, milho e trigo, em função dos abalos que ocorrem na economia chinesa.

Como resultado disso, houve na balança comercial de 2015 uma redução drástica nas importações, que caíram de US$ 229 bilhões para US$ 171 bilhões. As exportações também tiveram queda, passando de US$ 225 bilhões para US$ 191 bilhões. Isso se deu porque a crise levou o Brasil a reduzir quase pela metade suas importações, especialmente de bens intermediários, ou seja, insumos para a produção industrial, que caíram 20,2% (US$ 25,3 bilhões a menos). Percentual idêntico foi registrado entre bens de capital, ou seja, máquinas e equipamentos, produtos essenciais para a expansão da produção.

De significativo, só há a registrar o crescimento da exportação de manufaturados, que subiu de 35,5% em 2014 para 38,1% em 2015, voltando-se ao patamar de 2013 (38,4%), o que se deu depois que a atual presidente da República, em seu segundo mandato, mandou às favas a política terceiro-mundista que misturava política com comércio. E devolveu ao Ministério das Relações Exteriores e ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) autonomia para buscar uma reaproximação com os Estados Unidos e levar o Mercosul a se aproximar da Aliança do Pacífico, além de procurar destravar as negociações com a União Europeia. Esse é o caminho.

(*) Milton Lourenço é diretor do Sindicomis (Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo) e da ACTC (Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística).

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions