A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

07/12/2015 14:00

Imaculada Conceição

Por padre Toninho (*)

Quando no dia 25 de março de 1858, a “Senhora” que aparecia a Bernadette Soubirous lhe disse: “Eu sou a Imaculada Conceição”, a jovem vidente de Lourdes não entendeu o sentido daquelas palavras.
O dogma da Imaculada Conceição tinha sido definido havia pouco tempo, em 8 de dezembro de 1854, pelo Papa Pio IX. Trata-se de afirmar que Maria foi preservada de toda a mancha de pecado desde o primeiro instante da sua existência.

A Igreja sempre afirmou a santidade sem igual da Virgem, a “cheia de graça”, que o Altíssimo cobriu com a Sua sombra. Ela, perfeita “escrava do Senhor”, irrepreensível na sua fidelidade à Palavra de Deus, é “bendita entre as mulheres”. Tais expressões explícitas contidas no Evangelho de São Lucas (Lc 1,28-42) constituem a base da veneração com a qual a fé cristã rodeou Maria, a Santíssima Mãe de Deus.

Três calendários litúrgicos do século IX mencionam na Irlanda uma festa da “Conceição de Maria”, no dia 2 ou 3 de maio. O seu conteúdo é incerto, por falta de textos litúrgicos. No século XII, os mosteiros beneditinos da Inglaterra celebravam-na em 8 de dezembro. De lá passou para a França, primeiro na Normandia, depois em Lião, e, mais tarde, para a Bélgica, Espanha e Portugal, Itália e alguns mosteiros da Alemanha.

Mas teólogos de primeiro plano, como Santo Agostinho (354-430) e São Tomás (1228-1274), mostravam-se reticentes. O próprio São Bernardo (1091-1153), apesar da sua grande devoção mariana, criticou a legitimidade da festa instaurada: “Como se pode conciliar esse privilégio com a inegável necessidade que todos os humanos têm da redenção realizada por Cristo?” Roma esforçava-se por acalmar as controvérsias, mas sem tomar partido. No entanto, o Papa Alexandre VII (1655-1667) comprometeu-se mais claramente quando, em 8 de dezembro de 1661, publicou a Bula pontifícia que declarava Maria Imaculada desde a sua concepção, “em virtude dos méritos de Jesus Cristo, seu Filho, Redentor do gênero humano”.

Ao celebrar a Imaculada Conceição de Maria, a Igreja dá graças a Deus, cujo poder redentor não tem limites.

Oração: Senhor nosso Deus, que, pela Imaculada Conceição da Virgem Maria, preparastes para o vosso Filho uma digna morada e, em atenção aos méritos futuros da morte de Cristo, a preservastes de toda a mancha, concedei-nos por sua intercessão, a graça de chegarmos purificados junto de Vós. Amém!

(*) Padre Toninho, como é conhecido Padre Antonio Justino Filho, é membro da Comunidade Canção Nova

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions